Fóssil de cérebro de dinossauro revela complexidade – Dinossauros são encontrados com seu “ancestral evolutivo”

cerebro-dinocvb

Complexidade e preservação.

Um grupo de paleontólogos de várias universidades britânicas, entre elas as de Oxford e Cambridge, analisou o primeiro fóssil de cérebro dos répteis pré-históricos [sic] já encontrado. E embora depois de alguns [supostos] milhões de anos a aparência do órgão esteja mais próxima da de um pedra, não há nada que indique que os dinossauros eram mesmo cabeças-duras. O fragmento provavelmente pertenceu a um parente próximo do Iguanodon, um dinossauro herbívoro de grandes dimensões que viveu há cerca de 125 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista]. “O mais impressionante é que algo tão delicado quanto o tecido cerebral, que ninguém jamais esperou encontrar, foi preservado”, afirmou Alex Liu, da Universidade de Cambridge, ao jornal britânico The Guardian. “Isso diz muito sobre a qualidade de preservação que pode ser obtida com o registro fóssil, mesmo 133 milhões de anos após a morte do ser vivo.” [Um baita sic.]

Até hoje, todas as hipóteses disponíveis sobre o cérebro dos dinossauros se baseavam no formato dos fósseis de crânios e mandíbulas encontrados e no sistema nervoso de seus parentes modernos, os répteis e as aves [sic]. As informações disponíveis levavam a crer[sim, crer] que pelo menos metade da caixa craniana fosse ocupada por uma grossa membrana protetora, mas análises preliminares no fóssil incomum indicam que essa espécie de película, chamada “meninge”, media na verdade apenas alguns milímetros. 

O resultado é que sobra mais espaço para o cérebro em si, e, nesse caso, mais massa cinzenta pode significar mais inteligência. Outra possibilidade é que o herbívoro tenha morrido de ponta-cabeça. Nesse caso, o cérebro poderia ter comprimido a meninge, o que explicaria a menor espessura. [Quanta imaginação!]

Outro grande mistério é qual conjunto específico de condições físicas e químicas teria permitido a preservação de um dos órgãos mais delicados dos animais vertebrados por milhões de anos. É provável que ele tenha morrido com a cabeça mergulhada em um lago com pouco oxigênio e muita acidez, o que permitiu que o tecido se mineralizasse antes de apodrecer [quanta imaginação2]. O fóssil foi encontrado por um caçador de dinossauros amador em 2004. (Galileu) [FONTE: Criacionismo]

Nota:

A fim se escapar da conclusão óbvia de que complexidade é percebida ao longo de toda a coluna geológica, ou seja, desde que a vida foi criada, e de que somente em condições específicas de soterramento rápido sob lama fósseis podem ser produzidos, os evolucionistas apelam para histórias mirabolantes, como a do dinossauro que morreu com a cabeça dentro da água ou do cérebro que esmagou a meninge. Fez-me lembrar da certidão de óbito da Lucy. [MB]

Dinossauros são encontrados com seu “ancestral evolutivo”.

Para que servem as evidências?

Para que servem as evidências?

Um grupo de cientistas brasileiros descobriu, no Rio Grande do Sul, três fósseis que poderão mudar as teorias atuais sobre a origem e evolução dos dinossauros. Os pesquisadores descobriram pela primeira vez, lado a lado, dois esqueletos de dinossauros e um esqueleto de lagerpetídeo – um animal considerado um precursor dos dinossauros. De acordo com os autores do estudo, publicado neste sábado (12/11) na revista científica Current Biology, a descoberta de que dinossauros e lagerpetídeos chegaram a conviver indica que os grandes lagartos pré-históricos podem ter evoluído de forma mais gradual do que se imaginava [mesmo com descobertas como essa, a teoria da evolução é mantida a ferro e fogo]. “Sabemos agora, com certeza [como tinham certeza antes, também], que os dinossauros e seus precursores viveram lado a lado e que a ascensão dos dinossauros foi mais gradual do que imaginávamos – e não uma rápida substituição de outros animais que viveram na época”, disse um dos autores do estudo, Max Langer, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP).

O novo lagerpetídeo, Ixalerpeton polesinensis, e os dois dinossauros da espécie Buriolestes schultzi foram encontrados em Santa Maria, uma formação geológica localizada na região de Agudo, no centro do território gaúcho. A formação, com rochas de 230 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista], é considerada uma das mais antigas do mundo com a presença de fósseis de dinossauros.

Os pequenos dinossauros pesavam aproximadamente sete quilos, tinham cerca de 1,5 metro de comprimento, 50 centímetros de altura e um crânio de apenas 13 centímetros. De acordo com Langer, trata-se do único representante estritamente carnívoro do grupo dos sauropodomorfos, que inclui dinossauros gigantes do Jurássico, como o Diplodocus e o Apatosaurus. O lagerpetídeo, um bípede, é ainda menor, com cerca de 25 centímetros de altura.

Segundo Langer, a descoberta mostra que o Ixalerpeton e os Buriolestes foram contemporâneos durante os primeiros estágios da evolução dos dinossauros. Segundo ele, o novo espécime de lagerpetídeo tinha preservados elementos do crânio, da escápula – um osso do quadril – e de membros anteriores, além de algumas vértebras. […] (Estado de Minas[FONTE: Criacionismo]

Nota:

Não é a primeira vez que supostos ancestrais de algumas espécies (como os dinossauros) são descobertos juntos com seus supostos herdeiros evolutivos. Anos atrás, ficou claro, por exemplo, que aves e dinossauros foram contemporâneos (confira), o que lançou dúvida sobre a suposta ancestralidade réptil das aves. A despeito dessas evidências, a teoria da macroevolução continua sendo defendida, com a velha atitude de salvar a teoria dos fatos, numa atitude totalmente anticientífica. [MB]

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Arqueologia
Registro islâmico milenar comprova que Monte do Templo tem ligação histórica com os judeus!

Mudança de narrativa é recente, mas ganhou força na ONU. Decisões recentes da UNESCO tentaram apagar a relação histórica dos...

Fechar