N.A.S.A. – UMA ODISSEIA NA MENTIRA

Você acredita que o homem foi à Lua?
Como é possível construir um império baseado em mentiras?

 

A Fraude do Século – A Fraude do Homem na Lua

“No ano (2006) a N.A.S.A. divulgou para todo o planeta que “PERDEU” 700 arquivos da “viagem a Lua”, entre eles, os vídeos originais da missão Apollo e os negativos das “fotos na Lua”. Os caras de pau da N.A.S.A. simplesmente SUMIRAM com as EVIDÊNCIAS do CRIME que cometeram! Realmente é muito conveniente dizer que “PERDERAM” todos os vídeos e fotos originais da “viagem a Lua” pois hoje em dia qualquer perito facilmente comprovaria a FRAUDE. Como é possível que a N.A.S.A. com toda a “suposta segurança” que tem em suas instalações seja capaz de simplesmente “PERDER” os arquivos do feito considerado pela humanidade como o mais importante da história? Muitos nasceram na década de 1960 e tem até hoje fotos originais, mas a N.A.S.A. não conseguiu guardar as fotos da “viagem a Lua”? Como podem subestimar desta forma a inteligência dos seres humanos? Citando o Apóstolo Paulo: “Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. -(2 Coríntios 13:8)”. A verdade é que as “viagens espaciais” do homem na lua são uma FARSA e que o Governo dos EUA e a N.A.S.A. cometeram um verdadeiro CRIME contra a humanidade!”

CLIQUE NO VÍDEO ABAIXO E ASSISTA O FILME:
“O HOMEM NÃO PISOU NA LUA”

A.F.M. – 05/11/2007 (Webmaster do site SHOWDALUA.COM e autor do livro: “O Homem Não Pisou Na Lua”)

*Caso links da Matéria não estiverem mais disponíveis para serem acessados é porque covardemente foram deletados. Quem não deve, não teme!

>> Leia também: TERRA PLANA: A MÃE DE TODAS AS “TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO” OU EVIDÊNCIA CIENTÍFICA? TIRE AS SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES!

REVELAÇÃO BOMBA – Stanley Kubrick admite os pousos na Lua foram “falsificados” eu filmei!

Este é o material bruto não editado de Stanley Kubrick, aparentemente admitindo que os pousos na Lua NASA eram falsos. Ele diz que “os pousos na lua todos foram falsificados e eu era a pessoa que filmou isso.” Entrevistado Kubrick três dias antes de sua morte em março de 1999. Ele pediu para divulgar o conteúdo da entrevista após 15 anos de sua morte. Uma entrevista realmente BOMBÁSTICA, como fica agora a famosa frase: “Pequeno passo para um homem e um grande salto para a humanidade.”
.

Stanley Kubrick confessa a falsificação dos Desembarques na Lua!

———————————————————————————–
Abaixo está uma transcrição da entrevista com Stanley Kubrick:

K: Eu estou tão preocupado. Com o meu trabalho, a inovação, a assunção de riscos, lamenta …

T: Por que você está dando esta entrevista?

K: Porque, eu comecei a me questionar, depois de algum tempo. Bem, isso é difícil, porque é a primeira vez que eu falo sobre isso. (suspiros)

T: Claro, tome todo o tempo que precisar.

K: Eu estive sempre em conflito por isso, mas não conscientemente até anos mais tarde. Eu estava deslumbrado com a chance, a oportunidade, o desafio de fazer isso, essa produção, e eu fui a este como se fosse um filme regular, como um outro filme regular dos meus, não pensando muito sobre os efeitos a longo prazo o que isso significaria para a sociedade se nunca fosse descoberto.

T: O que você está falando? Estou morrendo de vontade de saber o que você está falando.

K: Bem, uma espécie de confissão. Um filme que eu fiz, que ninguém está ciente – mesmo que eles já tenham visto.

T: Um filme que você fez, e ninguém sabe que você fez? É isso que você disse?

K: É isso mesmo. É intrigante? Não vos tenho intrigado?

K: Eu perpetrei uma enorme fraude sobre o público americano, que agora estou prestes a detalhar, envolvendo o governo dos Estados Unidos e a NASA, que os pousos na Lua eram falsos, que TODOS os pousos na Lua eram falsos, e que eu era a pessoa que os filmava.

T: Ok. (risos) O que você está falando … Você está sério. Está bem.

K: Eu estou falando sério. Muito sério.

K: Sim, era falso.

T: Ok. Aguarde. Aguarde…

T: Eu não quero que este seja um filme R-rated, mas a sério, com clareza, mas a sério…

T: Eu, eu, eu trabalhei quase oito meses para garantir que esta fosse uma entrevista única em uma vida, que quase ninguém mais pudesse obter, e em vez de falar de seus dezesseis filmes que eu tenho acompanhado desde que eu era uma criança …
Que nós da Terra não fomos na Lua, você está dizendo?

K: Não, nós não.

K: Não era real.

T: Os pousos na Lua eram falsos?

K: A, um , um .. pouso na Lua ficcional. Uma fantasia . Não era real.

K: Você não acha que é importante que as pessoas saibam a verdade?

T: O pouso na Lua em 69, que foi dois anos antes do meu nascimento …

K: É ficção total.

T: ficção total?

T: É isso?… Então, isso é coisa de 15 anos. Então é isso faz sentido agora. É por isso que eu não posso liberar (tal entrevista) por 15 anos, isso faz total sentido agora.

T: Será que nós… nós não pousamos na Lua, você está dizendo?

K: Não, nós não o fizemos.

T: Por que você está me dizendo?

K: Uma, uma, uma, uma fraude maciça. Uma fraude sem precedentes perpetrada contra eles. Eles DEVEM saber.

K: Nixon queria uh, eles estavam planejando, sim, ele queria forjar isso, este pouso na Lua …

T: Você está alegando que as pessoas não querem saber a verdade sobre o mundo, a realidade , os pousos na lua?

K: O governo, sabendo disso, aproveita para perpetrar fraude após fraude após fraude.

T: Como você acabou se envolvendo nisso? Sendo conivente com esta fraude?
K: Eu não queria fazê-lo.

T: Isso não é onde eu pensei que esta entrevista estava indo!

K: Com a minha ajuda, com o meu, com a minha colaboração, e está, isto está me incomodando.

T: Eu só tenho esta certa quantidade de tempo com você. E eu vou falar sobre o que (você) quiser, mas …

T: Você não está … Isso não é algum tipo de piada, ou …

K: Não. Não, não é.

T: Ou um filme dentro de um filme … coisa

K: Não é brincadeira. NÃO.

T: Okay.

K: Os teóricos da conspiração estavam certos, nesta ocasião.

T: Eu não sei o que perguntar primeiro.

K: Eu sabia que estava errado, eu só… Eu não acreditava em perpetrar uma fraude como essa.

T: Mas você o fez.

K: É fazer isso também minou minha integridade artística.

T: Ok, mas você acabou dizendo sim. Por quê?

K: Bem, sim, mas porque basicamente eu foi subornado. Para ser franco, isso é o que é. Foi apenas um maldito suborno simples.

T: Por que você está me dizendo?

K : Uma, uma, uma fraude maciça. Uma fraude sem precedentes, perpetrada contra eles. Eles devem saber! Você não acha que é importante que as pessoas saibam a verdade?

T: Por que eles têm que fingir? Por quê? Por que eles sempre precisam fazer algo
assim? Por que o governo sempre quer ou precisa fazer…

K: Não é nenhum segredo que a NASA sempre quis cumprir essa profecia de Kennedy.

T: Comece do início …

T: Eu tenho que ser honesto, este é o lugar onde ele (Kubrick) me pegou. Quero dizer, quando eu realmente me coloco na posição dele, quando eu realmente imagino que ele estava dizendo a verdade, e que ele foi presenteado com esta
oportunidade e se na chance em um bilhão de que eu vivesse sua vida e fosse presenteado com a mesma oportunidade, o que eu faria?

T: Sim, ele queria aumentar sua aprovação e pensou que nada poderia fazê-lo melhor do que isto.

T: Que conflito. Quero dizer, meu Deus, eu não posso imaginar ser presenteado com tal oportunidade. Por um lado, eu realmente gostaria de fazê-lo, mas então eu provavelmente diria que estou cometendo um crime, e mentindo…

T: Depende, mas meu palpite seria… não, se você é bom, mas você poderia fazê-lo.

K: Spielberg, (inaudível) Scorsese, mesmo Woody Allen. Não há um deles que não faria isso.

T: Eu tenho que admitir: eu faria isso. Eu faria isso também.

T: Mas eles delegaram todo esse poder e toda isso bajulação a você, essencialmente?

K: Sim, tenho para mim depois de algum tempo. Você pode ouvir muito esse material antes de começar a acreditar.

T: Eles apenas disseram que você era o maior e coisas assim?

K: Sim, sim – e eu concordei com eles.

K: Por que você está dizendo ao mundo? Por que o mundo precisa saber que os pousos na Lua não são reais e você fingiu-los?

K: O que eu considero ser a minha obra-prima.

T: E você não pode tomar o crédito, ou até mesmo falar sobre …

K: Bem, estou (fazendo isso) agora…

T: Certo, então você vai estar morto. Em dez anos, ou 15 …

K: Certo, dez ou 15 algo parecido.

T: Então, você não pode falar com Roger Ebert sobre isso. Isso frustra você?

T: Por que eles têm que fingir? Por que eles têm que fazer isso?

K: Porque é impossível chegar lá.

Agradecimentos – Tradução independente: Assamita Silva.

Assista este incrível vídeo ativando a legenda com tradução.

Fonte: http://yournewswire.com
Mais um post by: UFOS ONLINE

 

A Fraude do Século – A Fraude do Homem na Lua

Você acredita que o homem foi à Lua?


Como é possível construir um império baseado em mentiras.

Começarei e terminarei este texto com a mesma pergunta acima. Após ter acesso aos diversos indícios de fraude que abordaremos aqui, será muito difícil que uma pessoa continue acreditando na versão oficial que relata a viagem do homem à Lua.

Quando vemos alguém dizendo que não acredita que o homem tenha ido à Lua, nossa primeira reação é a de rejeição, de menosprezo a alguém tão alienado que não acredita em coisa alguma que comprove tal proeza científica; não acredita nos relatos históricos, nos vídeos que foram filmados nem nas milhares de fotos comprovando tal acontecimento histórico que acabou mudando os rumos da humanidade.

Mas, após conhecer os diversos indícios de fraude coletados por diversos pesquisadores ao longo de 4 décadas, o sentimento que você poderá ter será o de ter feito papel de palhaço, de ter sido feito de trouxa juntamente com o restante da humanidade, que acredita em tudo que aparece na televisão sem contestar o que está sendo mostrado e o que é dito.

De acordo com a versão oficial, em horário mundial UTC, às 13 horas e 32 minutos de 16 de julho de 1969, os astronautas Neil Armstrong, Edwin ‘Buzz’ Aldrin e Michael Collins partiram na ponta do foguete Saturno V, de Cabo Canaveral na Flórida, Estados Unidos, tripulando a nave Apollo 11 composta pelo Módulo de Comando Columbia e pelo Módulo Lunar Eagle na presença de centenas de milhares de pessoas que, pelas estradas e campos ao redor do Centro Espacial Kennedy, assistiam ao lançamento do foguete.

A Missão Apollo 11 foi a quinta missão tripulada do Programa Apollo da NASA e teria sido a primeira a pousar na Lua. Após quatro dias de expedição, sob o olhar de milhões de telespectadores em todo o mundo, o Módulo Lunar teria tocado a superfície lunar e Neil Armstrong teria sido o primeiro homem a pisar na Lua em 20 de julho de 1969 dizendo a célebre frase “Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande salto para a humanidade”.

Armstrong e ‘Buzz’ Aldrin, que desceu em seguida, teriam caminhado no nosso satélite natural por duas horas antes de retornarem com segurança à Terra em mais quatro dias de viagem cumprindo a promessa do então presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, que em 1962, disse que os Estados Unidos mandariam uma missão tripulada com segurança à Lua antes do final da década. Esta estória é muito bonita, repleta de heroísmo e superação. Mas, a verdade pode estar bem longe do que realmente aconteceu nessa missão em julho de 1969.

Para que possamos tirar a nossa própria conclusão sobre este grandioso fato histórico, iremos analisar várias fotos que teriam sido tiradas nas missões Apollo. E antes que alguém diga que estou fraudando as fotos deste site, estou colocando um link em cada foto para a sua original, diretamente no site da NASA, nos Estados Unidos. Portanto, basta clicar sobre cada foto para abrir a foto original da NASA ampliada no vídeo.

Você terá a oportunidade de ver uma série de indícios de que tudo que existe sobre a ida do homem à Lua pode não passar de uma grande fraude muito bem arquitetada, porém, repleta de erros, o que poderá levar várias pessoas a se perguntarem em como puderam ter sido tão ingênuas aceitando a versão oficial divulgada em todos os meios de comunicação sem contestar os fatos por tantos e tantos anos.

Vamos começar, então, uma viagem no tempo para que cada um de nós tire sua própria conclusão se a viagem do homem à Lua foi ou não A Fraude do Século, que originou o nome deste site.

Evitando qualquer processo judicial que poderia ocorrer contra a minha pessoa, declaro, desde já, que o conteúdo deste site pode não corresponder à realidade e expressa apenas as minhas ideias a respeito do assunto, ideias estas publicadas aqui preservando e colocando em uso o meu direito de liberdade de expressão garantido pelos artigos 5o e 200o da Constituição Brasileira.

Começaremos as análises pela foto da porta de entrada da Missão da Nave Apollo 11 existente no site da NASA. Note que, já no inicio, os indícios de fraude borbulham. Esta é a foto de abertura da página e é a foto na qual encontrei o maior número de direções de sombras até o momento em que estou escrevendo estas linhas. Tem sombras pra todo lado! Para ficar mais fácil de visualizar as direções das sombras, desenhei uma seta vermelha para cada direção de sombra encontrada. Note que existem, no mínimo, 4 direções diferentes de sombras, num local onde a única fonte de luz é o Sol e todas as sombras deveriam ser paralelas. Todas as sombras deveriam estar na mesma direção. E não há desculpas de terem tirado a foto com ausência de luz solar (noite, na Lua) e terem recorrido ao uso de uma iluminação artificial. Pois, repare a incidência de luz solar, de cima para baixo, diretamente no Módulo Lunar Eagle que se encontra ao fundo, no lado esquerdo da foto a seguir.


Clique nesta foto para acessar a foto original no site da NASA.

Acessando o endereço www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a11/a11pan1111231EvM.jpg ou o endereço http://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a11/a11pan1111231EvMHR.jpg, você conseguirá abrir a mesma foto acima, porém em maiores resoluções. Dependendo do navegador de internet que você estiver utilizando, basta clicar na foto, após sua abertura, para que a foto seja ampliada no vídeo. Caso seu navegador de internet não tenha esse recurso, você poderá clicar com o botão da direita sobre a foto, acessar a opção “Copiar”, abrir um editor gráfico qualquer que tenha instalado no seu computador (Paint, por exemplo), acessar o menu “Editar” e a opção “Colar” para conseguir ver a foto ampliada no seu vídeo.

Como endereços na Internet mudam a todo momento, não garanto que você consiga ver todas as fotos originais no site da NASA. Não garanto também que todos os links criados neste site continuem funcionando indefinidamente. Mas, grande parte do arquivo de fotos da NASA referente à Lua está armazenado em endereços semelhantes a www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a11/20130773.jpg. Caso você tenha interesse, acesse esse endereço, que exibe a foto abaixo, e mude os números no final do endereço, que você encontrará milhares de fotos tiradas na época. A segunda foto abaixo, por exemplo, está localizada no endereço www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a11/20130804.jpg.


Foto 20130773 com sombras em direções diferentes.


Foto 20130804 com sombras em direções diferentes.

Acessando o endereço www.hq.nasa.gov/office/pao/History/ap11ann/kippsphotos/apollo.html você terá acesso a vários outros indícios de fraude. É possível comparar contradições referentes à viagem do homem à Lua numa única página existente no site da NASA, como no caso do link citado acima, que aponta para uma página do site da NASA que possui as duas fotos abaixo. Qual será o tamanho real da Terra vista da Lua? Seria o tamanho em que se encontra a Terra na primeira ou na segunda foto abaixo?

       
Indício de fraude: Aparentemente, trata-se de duas montagens feitas por pessoas diferentes.
A primeira foto mostra o tamanho da Terra mais próximo do real.
A segunda foto mostra o tamanho da Terra vista da Lua menor que o tamanho da Lua vista da Terra.

Qual será o tamanho real da Terra vista da Lua? De acordo com a NASA, conforme consta no endereço http://solarsystem.nasa.gov/planets/compchart.cfm?Object1=Moon, o diâmetro da Terra é 3,7 vezes maior que o diâmetro da Lua e a massa da Terra é 81 vezes maior que a massa da Lua.

Ah! Não se esqueça de clicar em cada foto acima, para ampliá-las e notar melhor a gritante diferença no tamanho da Terra. E lembre-se que você estará abrindo cada foto diretamente do site da NASA! Vale salientar também que ambas as fotos foram tiradas durante a primeira suposta missão do homem à Lua.

Se você não se contentou com o tamanho do planeta Terra visto da Lua nas fotos acima, tiradas durante a Missão Apollo 11, veja estas outras fotos abaixo com esses ridículos tamanhos da Terra, tiradas em 1972, na suposta expedição à Lua com a nave Apollo 17. Será que a NASA teria cometido a tolice de enviar os astronautas à Lua exatamente na época em que a Lua estaria mais distante da Terra, gastando mais combustível e criando mais problemas para o sucesso da viagem?

       
Desproporções no tamanho do planeta Terra, visto da Lua.

De acordo com o endereço abaixo, podemos verificar que a distância média da Terra pra Lua é de 384.400 km podendo variar de 363.300 a 405.500 km. http://solarsystem.nasa.gov/planets/profile.cfm?Object=Moon&Display=Facts&System=Metric Portanto, mesmo se a viagem tivesse sido feita exatamente no momento em que a Lua estivesse mais distante da Terra, tal diferença não justificaria tanta disparidade no tamanho da Terra nas fotos acima.

Veja, abaixo, mais duas fotos que mostram sombras em mais de uma direção. Mais um detalhe: o que são as luzes existentes no canto superior esquerdo destas fotos? A NASA afirma que não se trata de iluminação artificial, tratando-se de um brilho que bate nas lentes da câmera fotográfica sendo refletido no fundo do interior da câmera, causando este “defeito visual” no filme, também encontrado em diversas outras fotos.

       
Edwin Aldrin ao lado de uma experiência do Vento Solar.
As sombras deveriam estar paralelas nas fotos, mas não estão.

Agora, note, nas fotos acima, como são perfeitas as definições das penumbras na roupa do astronauta Edwin Aldrin sendo que, na Lua, isso não deveria existir devido à ausência de partículas de atmosfera na Lua. As sombras na Lua deveriam ser totalmente pretas e não deveriam existir penumbras na Lua tendo em vista que não há gás algum sobre a superfície lunar, nem mesmo oxigênio. Penumbras como estas, perfeitamente visíveis na roupa de Aldrin, seriam impossíveis de existirem na Lua porque na Lua não há atmosfera. E são os gases existentes na atmosfera os responsáveis pelas penumbras no nosso planeta.

Quando digo que não há atmosfera na Lua, não sou apenas eu quem estou dizendo. É também a própria NASA! Segundo ela, não há atmosfera na Lua porque a gravidade lá é muito baixa. A gravidade na Lua é tão pequena que não consegue sequer reter os gases que costumam se formar em volta de um corpo celeste. Para comprovar que a própria NASA diz que não há atmosfera na Lua, basta acessar o endereço http://www-spof.gsfc.nasa.gov/stargaze/Smoon2.htm e ler o conteúdo do subtítulo The Airless Moon (A Lua sem Atmosfera). Assim, você também verá que a gravidade na Lua é seis vezes menor que a gravidade na Terra. E… relembrando… Se não há atmosfera, não há oxigênio, não há penumbra.

Esta, abaixo, é uma foto famosa, com boas penumbras:


Foto com penumbras que não deveriam existir na Lua.

Veja mais uma foto com penumbras extremamente acentuadas:


Buzz Aldrin não seria visível, na Lua, estando no meio de uma sombra.

Abra a foto acima e veja todos os detalhes e a nitidez da imagem. Só tem um problema: Edwin Aldrin está bem no meio da sombra do Módulo Lunar. Ou seja, seria para tudo ali estar completamente escuro, totalmente preto, devido à ausência das partículas de oxigênio e outros gases que não estão presentes no vácuo. Aldrin não deveria estar visível nesta foto.

Mais uma foto intrigante é esta abaixo, da bandeira dos Estados Unidos tremulando na Lua, num local onde não há atmosfera. E se não há atmosfera, não há vento! Como ela poderia tremular?


Buzz Aldrin junto à bandeira dos EUA tremulando na Lua, onde não existe vento.

A bandeira da foto acima não estaria recebendo um vento tão intenso a ponto de ficar esticada da forma mostrada. Note que, na parte superior da bandeira, há uma haste para mantê-la sempre esticada. Mas, como explicar que, mesmo nos filmes gravados na época, são exibidas imagens da bandeira tremulando? Segundo a NASA, devido à pouca gravidade existente na Lua e ao fato dos astronautas terem acabado de tocar na bandeira, ela teria ficado tremulando sozinha ainda por algum tempo.

Abra a foto acima e veja também a quantidade de pegadas no solo “lunar”. Porém, encontramos outro problema: normalmente, para que se forme a marca de uma pegada, teria que haver umidade no ar. Na Lua não tem ar! Muito menos umidade! Levando-se também em consideração a pouca gravidade da Lua para manter a poeira abaixada, seria praticamente impossível que se formassem pegadas tão bem definidas como estas abaixo, encontradas em milhares de outras fotos tiradas “na Lua”. Uma pegada, na Lua, poderia se desmanchar assim que a bota do astronauta levantasse do chão, tal como acontece no fundo do mar, onde há umidade aos extremos.

Quer ver algumas pegadas mais de perto? Clique nas fotos abaixo para vê-las ampliadas.

       
Fotos de pegadas, que dificilmente se formariam na Lua, devido à ausência de umidade.

É ridículo e absurdo termos acreditado na ida do homem à Lua por tantos anos, por tantas décadas, sem questionarmos os detalhes dos acontecimentos.

Veja mais esta foto, cheia de penumbras, sombras em múltiplas direções, diversas pegadas e preste uma atenção especial na base do módulo lunar. Veja como parece que o módulo foi colocado delicadamente ali. Amplie a foto abaixo e note como são profundas as pegadas do astronauta na superfície lunar enquanto o pé do módulo lunar se mostra perfeito sobre a superfície, sem afundar. Nem parece que esse pé foi um dos responsáveis pela sustentação, durante uma queda, de um módulo de tantas toneladas.


Foto com penumbras, sombras em múltiplas direções, pegadas inconsistentes,
ausência de marcas profundas do pé do Módulo Lunar e
solo aparentemente molhado num local onde não existe água.

Não deixe de verificar também, na foto acima, como parece haver uma divisão no solo: a parte inferior da foto, cheia de pegadas, se assemelha muito a solos úmidos, mais fáceis de contraírem marcas de pegadas; enquanto a parte do solo ao fundo possui a aparência seca, praticamente sem pegadas.

Veja, na primeira foto abaixo, como parece que até ajuntaram um montinho de terra antes de colocarem esse pé do módulo lunar onde ele se encontra. Agora, veja bem a segunda foto abaixo. Preste bastante atenção no formato do solo. Verifique que a terra está um pouco solta apenas ao redor do pé do Módulo Lunar parecendo que alguém trouxe esse montinho de terra de outro lugar possivelmente apenas para que este pé do módulo lunar não ficasse suspenso no ar e para que tudo ficasse bem arrumadinho na foto! Nesta Lua da NASA!… Nesta Lua dos Estados Unidos.

   
Indícios do Módulo Lunar não ter pousado na Lua.

Preste muita atenção, agora, nos pés do módulo e no chão que está bem embaixo da parte central do Módulo Lunar. Não há sinal algum de que o módulo tenha vindo do espaço, com propulsores potentes que provavelmente teriam feito grandes marcas embaixo do módulo. Do jeito que está na foto, até parece que o módulo foi colocado delicadamente nesse lugar.


Módulo Lunar da Missão Apollo 11. Você crê que isso voa?
Você crê que aí dentro há combustível suficiente para alimentar um propulsor capaz de colocar este módulo em órbita?

Abaixo, mais uma foto do Módulo Lunar, tirada mais de perto, facilitando a nossa visualização da existência ou não de grandes marcas no solo abaixo do propulsor.


Ausência de grandes marcas no solo abaixo do Módulo Lunar.

Em seguida, outra foto do Módulo Lunar, sem indícios visíveis da utilização de um propulsor. Além disso, a foto foi batida contra o Sol. Tente fazer isso aqui na Terra e veja se a foto sairá queimada ou não. Na Lua, a foto se queimaria mais facilmente ainda, tendo em vista que lá não há atmosfera. Na Lua, a luz solar incidiria com maior rigor e queimaria a foto.


Foto batida contra o Sol sem queimar o negativo.
Chão sem indícios de utilização do propulsor na hora do pouso.

Abra a foto acima e note também que há uma espécie de cartaz muito nítido colado ao Módulo Lunar com os dizeres “UNITED STATES”. Batendo uma foto como esta, contra o sol, nunca seria possível conseguir enxergar tais dizeres! Tente fazer isso aqui na Terra e veja como a fotografia sairia queimada. Portanto, tudo indica que a foto acima trata-se de uma montagem muito mal elaborada com a assinatura mor dos “UNITED STATES”.

E então? Está gostando das paisagens das fotos? É… realmente essas paisagens, tal como as paisagens do Deserto de Nevada, nos Estados Unidos, não é das melhores.

Veja, agora, que interessante! Esta próxima foto não é da Missão Apollo 11. E sim da Apollo 17, que ocorreu três anos depois. Veja que parece que a NASA percebeu o vacilo de ter deixado os pés do Módulo Lunar colocados suavemente sobre o chão e resolveram tentar corrigir a falha, desta vez, afundando o pé do Módulo Lunar para que a foto se aproxime mais da realidade.

Na 6a expedição, o pé do Módulo Lunar aparece como deveria ser: afundado no solo da Lua.

Um visitante do site A Fraude do Século, que se identifica como KTF, um engenheiro que fez doutorado na área de Ciências Aeroespaciais na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, com vários professores e engenheiros que participaram do projeto Apollo da NASA, que teve a oportunidade de conhecer pessoalmente Neil Armstrong, nos brinda com um depoimento muito instigante! Ele diz que “no caso das pegadas e das marcas dos suportes do módulo lunar, se uma pegada feita por um astronauta pode fazer a marca indicada nas fotos, imagine a ‘marca’ que os suportes do módulo fariam no solo lunar. Não se observam estas marcas! O sistema de propulsão para frear o módulo teria feito uma enorme marca no solo devido à força dos gases (princípio da ação e reação). Como você observou, essas marcas não existem. Em segundo lugar, o ‘piloto automático’ não funcionou, segundo o relato de um professor que ajudou no projeto. O Filtro de Kalman teve que ser desativado por falta de ruído, e Neil assumiu o comando manual causando um grande impacto no pouso. Onde estão as marcas do impacto?” Segundo KTF, muitos norte-americanos acreditam piamente que o módulo pousou na Lua embora hajam alguns aspectos técnicos inexplicáveis. Segundo ele, que não acredita na versão oficial da NASA, a viagem à Lua provavelmente aconteceu, mas não o pouso no solo Lunar! KTF ainda diz que “Outro ponto, como você observou, é o tamanho do módulo lunar que não é consistente com o sistema de propulsão necessário para colocar os astronautas de volta em órbita lunar. Há muitos outros itens que podem ser contestados. Mesmo sendo um tecnocrata profundo conhecedor de muitos detalhes técnicos, não acredito ainda que o homem tenha tocado o solo lunar e retornado.” Com certeza, KTF nos deu uma grande contribuição para que caminhemos rumo à verdade.

Parece que o filme A Fantástica Viagem, de 1966, que mostrava uma aventura dentro do corpo humano, inspirou a NASA a criar um filme de outra fantástica viagem três anos depois: A Fantástica Viagem do Homem à Lua. Analisando todos esses fatos, poderíamos até mudar a categoria do filme A Fantástica Viagem do Homem à Lua. Não o encontraríamos na seção de filmes de ficção científica ou aventura. Mas, poderíamos encontrá-lo juntamente com os capítulos da série Acredite Se Quiser!

Meu intuito em criar o site A Fraude do Século e escrever o livro de mesmo nome é mostrar a todos as dúvidas que pairam quanto às viagens do homem à Lua, destacando as incoerências das fotos e dados, levantando os indícios da possível não ida do homem à Lua bem como as contestações a esses indícios para que a verdade venha à tona.

Bem, vamos voltar a analisar mais algumas fotos.

Nesta próxima foto, famosa também, podemos ver a diferença entre o tamanho das sombras de Neil Armstrong (sombra menor) e Edwin Aldrin (sombra maior). Os tamanhos dessas sombras são muito desproporcionais mas, por incrível que pareça, não haviam lá duas fontes de iluminação. Eu confesso que cheguei a desconfiar desta foto que é, na verdade, parte de uma filmagem. Quando tive acesso ao filme, pude perceber a movimentação dos astronautas durante toda a filmagem e consegui verificar que a sombra de Neil Armstrong está menor por haver um pequeno relevo no solo logo atrás dele, numa exata inclinação que poderia nos fazer pensar que haviam duas fontes de iluminação no local.


Sombras com tamanhos diferentes, mas devido a um pequeno relevo no solo.

Pelo jeito, a bandeira dos Estados Unidos foi fincada na Lua em mais de um lugar. Compare a foto acima com a foto abaixo e verifique a distância existente entre a bandeira e o Módulo Lunar.


Bandeira dos Estados Unidos muito próxima do Módulo Lunar, divergente com a foto anterior.


Mesma foto anterior ampliada, com o rosto de Buzz Aldrin exposto à radiação solar.

A foto acima é uma ampliação da foto anterior. Dentro do capacete dos astronautas, há uma proteção bem escura que deve ficar sempre abaixada para evitar a radiação solar. Mas note, na foto acima, como Aldrin suspendeu a proteção contra a radiação solar para aparecer melhor na foto. Ele não está olhando para frente. Ele está com o rosto virado para a câmera! O Sol emite uma radiação, na Terra, de aproximadamente 0,36 REM/ano. REM é abreviatura de Roentgen Equivalent for Man. Dentro de estações espaciais, astronautas costumam receber radiações de cerca de 6 REM por ano. Mas, na Lua, esta radiação pode chegar a até 7.000 REM por minuto! Tendo em vista que a população do nosso planeta está acostumada a receber entre 0,1 e 2 REM/ano e o ser humano conseguiria resistir a um máximo de 4,5 REM/mês, a radiação de 7.000 REM/minuto torna-se letal para qualquer ser humano! Esses dados podem ser conferidos em estudos realizados pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, publicados no endereço http://astro.if.ufrgs.br/esol/esol.htm na seção Tempestades de 1999 a 2003; e também em estudos realizados pela Universidade Estadual Paulista no endereço http://inorgan221.iq.unesp.br/quimgeral/nuclear/nuclear8.html. Além destas referências brasileiras, no último parágrafo do endereço www.nas.nasa.gov/About/Education/SpaceSettlement/75SummerStudy/Chapt.2.html, no qual há um estudo feito pela própria NASA sobre as propriedades físicas do espaço, conseguimos encontrar uma informação de que, normalmente, um ser adulto consegue suportar até 5 REM/ano, embora hajam casos de exposição a 50 REM/ano, que se aproxima bem dos 4,5 REM/mês citados acima. A exposição de um humano a 500 REM ocasiona sua morte em apenas 48 horas. Portanto, se Aldrin estivesse na Lua, seu rosto estaria exposto a essa enorme radiação. E, segundo as informações acima, essa radiação seria letal para Edwin Aldrin!

Que roupas eram aquelas utilizadas pelos astronautas que resistiam a uma radiação solar tão exacerbada? Que roupas eram aquelas que resistiam também a altíssimas e baixíssimas temperaturas que existem na Lua e ainda suportavam à extrema falta da pressão atmosférica? Quanto mais próximo um corpo está do nosso planeta (no fundo do mar, por exemplo) maior é a pressão, que tende a comprimir o corpo humano e esmagá-lo. Com a ausência da pressão, o corpo humano tende a dilatar e até mesmo a explodir! Fato semelhante pode acontecer até mesmo dentro do nosso próprio planeta. Imagine a seguinte situação: você está numa cidade litorânea, no nível do mar, a temperatura local está em 20 graus Celsius e o grau de ebulição da água é cerca de 100ºC. Então, você resolve fazer uma viagem de avião, a 30 mil metros de altitude. Lembre-se que a água ferve a 100ºC no nível do mar porque, numa altitude 0 (zero), a pressão atmosférica é de 100.000 Pascal. Quanto mais alto for o local que você estiver, menor será a pressão atmosférica e menor será o grau de ebulição da água. Tendo em vista que a temperatura do nosso corpo fica em cerca de 36ºC, se alguma parte da fuselagem da aeronave rompesse e anulasse a pressurização na aeronave, seu sangue ferveria dentro do seu próprio corpo! Quando a altitude atinge os 18.900 metros, a pressão atmosférica reduz para apenas 6.180 Pascal e a temperatura necessária para ebulição da água passa a ser a mesma temperatura no corpo humano. É morte, na certa! E, mesmo se o sangue não fervesse, você também poderia morrer congelado tendo em vista que, em média, a cada acréscimo de mil metros de altitude, a temperatura cai cerca de 2 graus Celsius. Portanto, se a temperatura na tal cidade litorânea estivesse em 20ºC, a 30 mil metros de altitude, estariam fazendo cerca de 40ºC negativos! Com a redução drástica da pressão, seu corpo também tenderia a dilatar ou até mesmo explodir! Será que aquelas roupas dos astronautas resistiriam a tudo isso naquela época?

Vamos ver agora a fotos dos Três Patetas, digo, dos Três Pinóquios, quero dizer, dos três astronautas que honraram os Estados Unidos com A Fantástica Viagem do Homem à Lua! Nesta foto, esses astronautas estão em quarentena, após retornarem à Terra, recebendo os cumprimentos de suas adoráveis esposas na Base da Força Aérea de Ellington.

Astronautas em quarentena e suas esposas.

A meu ver, fizeram uma lavagem cerebral nos astronautas antes e depois da viagem. Acredito que, nessa quarentena, agentes do governo dos Estados Unidos reforçaram a ideia sobre os benefícios que os astronautas teriam ocultando a verdade dos fatos e mantendo esta grande mentira em evidência por toda a vida; vida esta que poderia estar ameaçada no caso de contarem a verdadeira história a qualquer cidadão do nosso planeta.

Daí em diante, os três tiveram vidas de reis! Tudo era festa e alegria! E com muita bandeirinha estadunidense!

Grande festa nos Estados Unidos após o retorno dos astronautas.

Difícil ouvir a palavra estadunidenses, não é mesmo? Mas, é o termo certo para nos referirmos às pessoas nascidas nos Estados Unidos. Norte-americanos são os nascidos nos Estados Unidos, México ou Canadá. Acredito que os estadunidenses gostem de se auto-intitular norte-americanos devido à mania de grandeza, para que as pessoas pensem subconscientemente ou subliminarmente que os Estados Unidos representam toda a América do Norte.

Por que teria ocorrido a fraude?

Os Estados Unidos teriam tramado esta farsa porque a União Soviética estava à frente dos Estados Unidos na corrida espacial, tendo enviado, em 12 de Abril de 1961, Yuri Gagarin à órbita terrestre a bordo da nave Vostok I. A foto da Terra vista do espaço e a frase “A Terra é azul” deram grande impulsão à União Soviética. Os Estados Unidos, no auge da Guerra Fria, vendo que estavam ficando para trás, teriam resolvido dar um golpe para atrair toda a atenção do mundo para eles. Principalmente porque, um ano antes da suposta ida do homem à Lua, Stanley Kubrick lançou o filme 2001 – Uma Odisseia no Espaço, com efeitos especiais nunca vistos antes na história do cinema, que renderam um Oscar ao brilhante Kubrick! E esses efeitos especiais poderiam muito bem ser utilizados pelos Estados Unidos para forjar uma viagem do homem à Lua.

Existe uma suposta foto de Stanley Kubrick, na NASA, meio escondido, agachado atrás do astronauta Neil Armstrong, antes da suposta viagem do homem à Lua. Na mesma foto, há um telão com fundo escuro muito semelhante aos fundos usados em Chroma Key, que é uma técnica cinematográfica que permite substituir um fundo com uma cor padrão por outra imagem qualquer. Esta foto teria sido tirada dentro da própria NASA. Mas, para quê a NASA usaria um telão com um fundo especial como esse?

Homem parecido com o diretor do filme “2001, Uma Odisseia no Espaço” agachado atrás de um astronauta na NASA.
Existência de um telão com fundo escuro próximo ao astronauta que poderia ter sido usado em Chroma Key.
À direita, fotos do diretor Stanley Kubrick para comparação.

Depois de publicar o site A Fraude do Século com a foto acima, recebi esta outra, abaixo, de um visitante do site, que tentou provar que a pessoa que estava agachada atrás do astronauta não era o Stanley Kubrick. Realmente, vendo por este outro ângulo, esta pessoa não se parece tanto com o Kubrick. Agora, com tantas montagens nas fotografias, há quem desconfie que esta última foto trata-se de uma foto-montagem que a própria NASA poderia ter criado, após o vazamento da primeira foto, modificando o rosto de Kubrick para tentar encobrir sua presença dentro de suas dependências.

Nova fotografia tentando provar que o homem que estava agachado na NASA não era o Stanley Kubrick.

O que toda essa mentira traria de resultados positivos aos Estados Unidos? Veja bem: após a concretização da farsa, os grandes investidores internacionais iriam querer investir o seu dinheiro no país mais evoluído tecnologicamente do mundo. E foi exatamente isso que aconteceu. Após o feito que perdura até hoje como verdade para a maioria da população mundial, os Estados Unidos viraram a mega potência que é nos dias atuais. Viraram os donos do mundo, se dando ao luxo de poderem atacar países do outro lado do planeta “por precaução”, para se prevenirem de um ataque com armas químicas que só existem nos relatórios forjados pelos Estados Unidos (George W. Bush) e Inglaterra (Tony Blair). Mas, isso já é outra história, como também um monte de outras histórias falsas que foram inventadas pelos Estados Unidos para satisfazerem aos seus interesses. Tais histórias receberão a minha atenção em outra oportunidade.

A NASA está recebendo tantas críticas e indagações referentes à ida do homem à Lua que resolveu contratar, no final do ano de 2002, James Oberg, um renomado escritor aeroespacial, para tentar justificar à população mundial de que tudo teria sido realmente verdade. A BBC News publicou uma matéria a respeito, que pode ser lida no endereço http://news.bbc.co.uk/1/hi/sci/tech/2410431.stm. Até outubro de 2003, posso garantir que Oberg não lançou livro algum com este propósito. Você mesmo pode procurar isso no endereço http://www.jamesoberg.com/books.html. Dizem que ele desistiu da empreitada.

O escândalo da fraude da viagem do homem à Lua veio à tona em 2001, quando a Fox Television fez um programa mostrando diversos indícios de fraude. O programa foi ao ar com o nome “FOX Special – Conspiracy Theory: DID WE LAND ON THE MOON?” (Especial FOX – Teoria da Conspiração: NÓS POUSAMOS NA LUA?). E foi a partir disso que comecei a pesquisar a respeito e a analisar mais de 2.500 fotos da NASA, uma por uma, detalhe por detalhe; e acabei encontrando mais indícios da fraude além dos citados pela Fox Television.

Além de pesquisar por informações que contestavam a ida do homem à Lua, também pesquisei sobre o que a NASA dizia a respeito das contestações. Tem respostas da NASA que, mesmo sendo um pouco absurdas, poderiam ser aceitáveis. Mas, muitas delas não dá para engolir!

Vamos ver agora, outros indícios da falcatrua:

Segundo a NASA, as câmeras utilizadas para tirar as fotografias foram de modelo Hasselblad 500EL munidas de filme Kodak especial (vide www.hq.nasa.gov/alsj/a11/a11-hass.html) e de um revestimento de prata que foi colocado nas câmeras para deixá-las mais resistentes às variações térmicas, mas creio eu que não o suficiente para suportar as extremas variações de temperatura da Lua. A temperatura na Lua varia tanto, que seria impossível trazer de lá uma única fotografia para ser exibida na Terra. Só para se ter ideia, a temperatura na Lua varia de -153ºC à noite a +107ºC durante o dia, conforme dados obtidos na NASA no endereço http://solarsystem.nasa.gov/features/planets/moon/moon.html. Como é que hoje, quatro décadas após este grande sucesso estadunidense, ainda não existe um único filme de máquina fotográfica capaz de suportar sequer a pequenas variações de temperatura? Ou será que eles já possuíam câmeras fotográficas digitais que gravam as fotos em chips? Será que a IBM, que patrocinou o filme de Stanley Kubrick, também patrocinou a suposta ida do homem à Lua criando máquinas fotográficas digitais e mantendo esta tecnologia sob sigilo por décadas? Por falar nisso, você sabia que o nome do computador HAL do filme 2001 – Uma Odisseia no Espaço é uma alusão ao nome IBM? Note que cada letra posterior às letras que compõe o nome HAL forma o nome da fabricante IBM.

Mas, segundo a própria NASA e conforme pode ser comprovado acessando os links acima, não foram utilizadas câmeras fotográficas digitais para tirar as fotos da suposta ida do homem à Lua. Foram utilizadas câmeras fotográficas convencionais com filmes Kodak.

Como eu nunca ouvi falar de um filme especial que resista a variações de temperatura, e como a NASA afirmou que o filme utilizado para bater as fotos é da marca Kodak, resolvi tirar isso a limpo de uma forma bem simples: entrei em contato com o suporte da Kodak do Brasil, pela Internet e abri um questionamento com os seguintes dizeres:

Prezados(as) Senhores(as),
eu gostaria de saber qual é a temperatura máxima e mínima que um filme normal com as fotos já batidas e ainda não revelado pode ser exposto. Gostaria de saber também se existe atualmente algum filme especial que resista a grandes variações de temperatura. Caso exista, gostaria que me informassem qual é o máximo e mínimo de temperatura suportável pelo filme.

Muito obrigado pela atenção!
Cordialmente,
André Basílio.

A resposta que obtive foi esta abaixo:

Sr. André,
Agradecemos o contato mantido conosco e o interesse demonstrado pelos produtos e serviços Kodak. Informamos que um filme já exposto e ainda não processado não deve ser submetido a altas e/ou baixas temperaturas. O ideal é mantê-lo em local fresco e arejado com temperatura ambiente. Não dispomos de filmes especiais que suportem variações de temperatura.
Atenciosamente,
Centro de Informações ao Consumidor
Kodak Brasileira Com. Ind. Ltda
0800 15 0000
www.kodak.com.br

Conflitantes as informações, não é mesmo? A NASA afirma com todas as letras que utilizou, durante a Missão Apollo 11, um filme especial da Kodak para bater as fotos. Mas, a própria Kodak afirma também com todas as letras que tal filme não existe!

O código do atendimento que me retornou a resposta acima é KMM5745727C0KM. Quem quiser fazer como eu, basta entrar em contato com a Kodak através do link ou telefone acima. Assim, cada um pode fazer seus questionamentos e conferir a informação.

Verifique, nas fotos abaixo, como as máquinas fotográficas estavam expostas às enormes variações de temperatura:

                Astronautas utilizando as câmeras Hasselblad 500EL “na Lua” onde a extrema variação de temperatura
prejudicaria os negativos não permitindo que fotos tão nítidas chegassem à Terra.

Mais um detalhe que não podemos deixar passar despercebido: compare a primeira foto desta série acima com a do astronauta na NASA, na frente do suposto Stanley Kubrick. Note a extrema similaridade da posição do astronauta em ambas as fotos, segurando a câmera.

Outro fato contestado por inúmeros pesquisadores é a falta de estrelas no fundo das fotografias. Já que não há atmosfera na Lua e a atmosfera atrapalha, de certa forma, a nossa visão, as estrelas deveriam ficar bem mais reluzentes vistas da Lua, devendo ser muito nítidas nas fotografias. A desculpa que a NASA dá para este fato é que, na Lua, a luz do Sol é tão intensa que ofusca o brilho das estrelas. Acredite, Se Quiser!

Assista aos vídeos que foram transmitidos para todo o planeta, da suposta conquista da Lua. Perceba que os astronautas transmitiam, em tempo real, vídeo e som para a base nos Estados Unidos. A conversa entre a base e os astronautas ocorria em tempo real naquela época! Como era possível isso há quatro décadas atrás sendo que, hoje, para uma rede de televisão transmitir uma imagem para o outro lado do planeta são gastos 2 segundos para a imagem chegar lá utilizando a mais alta tecnologia existente atualmente!?

Onde estão as filmagens originais do pouso na Lua?

Ainda em relação aos vídeos transmitidos, você já reparou como eles têm péssima qualidade de imagem? Segundo a NASA, a transferência dos vídeos em baixa qualidade foi proposital para que eles pudessem ser exibidos ao vivo aqui na Terra. Além da qualidade da transmissão das imagens ser baixa, durante o envio perdeu-se ainda mais qualidade. De acordo com a NASA, as imagens teriam chegaram à Terra sendo exibidas num monitor preto e branco que estava sendo filmado por uma outra câmera para, a partir desta última filmagem, onde se perdia mais qualidade pela terceira vez, transmitir os vídeos para as principais redes de televisão mundiais. Então, teriam sido estes os fortes motivos que fizeram com que as imagens perdessem tanta qualidade em cada um desses processos.

Porém, pairou uma dúvida no ar. E a câmera que estaria na Lua gravando todas as imagens em alta qualidade em fitas de vídeo? Ao voltar da Lua, os astronautas teriam trazido de volta gravações bem diferentes daquelas apresentadas a toda a população mundial. Porém, porque essas filmagens em alta resolução nunca foram mostradas até hoje?

A NASA afirmava estar preparando a exibição dessas imagens no aniversário dos 40 anos da ida do homem à Lua. Seriam imagens inéditas, com uma alta qualidade de vídeo! Porém, em agosto de 2006, a NASA vem a público informando que tinha perdido as fitas que continham as gravações originais da Missão Apollo 11.

Segundo a NASA, as fitas teriam sido enviadas ao Arquivo Nacional dos Estados Unidos antes de serem devolvidas à própria NASA, que teria as guardado no seu Centro Espacial Goddard, em Maryland. Mas, devido ao fato dos funcionários que trabalhavam nos arquivos da NASA terem mudado de emprego, se aposentado e até morrido, ninguém mais sabia onde essas fitas tinham ido parar.

Tudo isso foi amplamente divulgado pela mídia como nesta matéria publicada pela BBC Brasil: www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/story/2006/08/060815_filmeluaaw.shtml que você poderá acessar para confirmar o que estou dizendo.

Teriam nesses vídeos de melhor resolução provas irrefutáveis de que tudo não tinha sido filmado na Lua? Haveria evidências o suficiente nas fitas que pudessem provar que as primeiras filmagens teriam sido feitas dentro de um estúdio e que, por isso a NASA teria arrumado uma desculpa para não transmitir esses vídeos para a população mundial?

Bem… após isso, quase três anos depois, exatamente em 16 de julho de 2009, quatro dias antes do aniversário de 40 anos da possível ida do homem à Lua, a NASA vem novamente a público informar que as gravações originais do primeiro pouso na Lua foram perdidas para sempre. Para fazerem economia financeira, utilizaram as fitas onde havia as gravações originais para gravarem, por cima dos fatos históricos, novas imagens e dados de satélites.

Será que foi isso mesmo que você leu? Você leu direito? Sim! Você não está enlouquecendo. A NASA, que afirma que gastou quase 200 bilhões de dólares (em valores corrigidos) no projeto Apollo até o pouso do primeiro homem na Lua, vem a público dizer que apagou intencionalmente os vídeos mais importantes de sua história pra fazer economia em fitas de vídeo! Isso é mais que ridículo! Na minha concepção, é uma insanidade!

Num certo momento, a NASA diz, em entrevista coletiva, que as fitas foram apagadas “sem querer” (será como o Chaves? “Sem querer querendo”?). Mas, em outro momento, entra em contradição afirmando que as fitas foram apagadas e reutilizadas para “economizar dinheiro”. Veja uma matéria a respeito, publicada pela Folha Online, no endereço http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u596323.shtml.

Por quê, por 40 anos, a NASA nunca se interessou em divulgar em melhor qualidade os vídeos de péssima qualidade que tinham sido transmitidos e que tinham levantado suspeitas de tantas pessoas que, desde a época do feito, nunca acreditaram que o homem teria ido à Lua exatamente pela baixa qualidade das imagens mostradas na televisão?

A NASA, que se mostra tão meticulosa em tudo o que faz, não teria feito nem mesmo uma única cópia da sua fita original mais importante da história?

Na mesma matéria citada acima, da Folha Online, Richard Nafzger, engenheiro da NASA, afirma que o governo tinha pouco interesse sobre as fitas na época porque o objetivo maior do governo dos Estados Unidos era para efeito de propaganda em transmissão ao vivo. Que tipo de propaganda seria essa? Seria a propaganda de divulgar os Estados Unidos como a nação mais evoluída tecnologicamente do mundo para atrair grandes investimentos para o país e transformá-lo numa mega potência?

Em seguida, para compensar a perda dos vídeos originais, a NASA contratou uma empresa de Hollywood chamada Lowry para restaurar os vídeos de péssima qualidade para tentar transformá-los em vídeos de melhor qualidade e exibi-los ainda durante a festa dos 40 anos do homem na Lua. NASA e Hollywood… Seria uma história se repetindo?

A Promessa de George W. Bush

Em janeiro de 2004, o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou, na Agência Espacial Americana, que a NASA levará o homem novamente à Lua até 2015 e a Marte até o ano de 2020. Para isso, o governo estadunidense estaria liberando alguns bilhões de dólares em verbas para a NASA.

A intenção de Bush era enviar o homem novamente à Lua até 2015 e criar uma base lunar para lançar uma nave tripulada a Marte até 2020.

Esta promessa de Bush foi amplamente divulgada na mídia. Acessando o seguinte link, por exemplo, podemos ler uma matéria a respeito publicada, na época, pelo Portal Terra: www.ar.terra.com/tecnologia/interna/0,,OI253771-EI304,00.html.

A primeira pergunta que nos vem à mente lendo uma notícia desse tipo é: “Pra quê mandar o homem à Lua para, somente a partir de lá, lançá-lo novamente para ir em direção a Marte? Mesmo que levemos em consideração que a gravidade na Lua é um sexto da gravidade da Terra é que lá não há atmosfera, o que facilitaria bastante o lançamento de uma espaçonave, no meu entendimento, todo esse processo consumiria mais combustível do que o de uma nave que fosse lançada da Terra diretamente ao planeta vermelho.

Mas, também é muito fácil e cômodo para um presidente prometer algo que não será ele mesmo quem terá que cumprir no futuro. E, pelo que estamos vendo, ele não terá a mesma sorte que teve o presidente John Kennedy que, em 1962, fez a promessa que os Estados Unidos mandariam uma missão tripulada com segurança à Lua antes do final da década, sendo tal promessa “cumprida” por Richard Nixon. De acordo com notícia veiculada pela Folha Online, a NASA já prorrogou o prazo da ida do homem à Lua para 2020 (vide http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u353651.shtml) e já está afirmando, novamente, que tal prazo precisará ser prorrogado mais uma vez como consta nesta matéria veiculada pelo Portal Terra: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3874380-EI238,00.html.

É incrível como, entre 1969 e 1972, a NASA programava uma nova missão à Lua de seis em seis meses. Mas, 35 anos depois, são necessários 10 anos para mandar uma nova missão tripulada à Lua, prazo este que já está passando para, pelo menos 15 anos. Antes, demorava seis meses para mandar o homem à Lua e, agora, com toda a tecnologia disponível, vai demorar 15 anos? 30 vezes mais tempo? Será que a tecnologia aeroespacial regrediu da década de 1960 pra cá? Ou será que a tecnologia tenha aumentado tanto que, para utilizar toda a tecnologia existente atualmente, demora-se mais tempo para programar uma viagem desse porte?

E a viagem a Marte que foi prometida para 2020? Bem… se a viagem à Lua, que era para ocorrer até 2015 já foi adiada pra 2020 e nem se sabe se a NASA conseguirá mesmo cumprir o cronograma, a viagem a Marte não ocorreria antes de 2030. E, de acordo com o portal de notícias G1 da Globo (vide http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL209034-5603,00.html), a Rússia está programando para 2020 sua primeira viagem tripulada ao planeta vermelho. De acordo com notícia veiculada no Portal UOL (vide http://cienciahoje.uol.com.br/95718), a agência espacial europeia pretende lançar uma missão tripulada a Marte até 2030. E até a China já está entrando nessa corrida (vide http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL43878-5603,00.html). A Índia também está no páreo para realizar viagens tripuladas à Lua e a Marte segundo a seguinte publicação: http://movv.org/2009/02/08/a-india-vai-colocar-um-astronauta-na-lua-em-2020-e-planeia-ja-uma-missao-a-marte. Então, pelo jeito, os Estados Unidos precisarão correr se não quiserem ficar pra trás!

Fotos tiradas com iluminação artificial?

Mais um indício de fraude observado por José Luís Cardoso, visitante do site A Fraude do Século, é em relação a várias fotos existentes no site da NASA. Em várias fotos, o local onde se encontram os astronautas aparece bem iluminado, mas os locais ao fundo aparecem muito escuros. Tendo em vista que não foi utilizada iluminação artificial na Lua para bater as fotos e que a única fonte de luz na Lua seria o Sol, toda a Lua deveria estar iluminada na mesma intensidade e não apenas no ponto onde se encontram os astronautas.

Foto com indício de ter sido utilizada iluminação artificial próxima ao astronauta.

Essa desproporção da iluminação na Lua pode ser vista na foto acima como também em diversas outras fotos já mostradas aqui.

O que realmente teria acontecido?

Se levarmos em consideração que teria sido tudo uma farsa, vamos imaginar como poderiam ter acontecido os fatos: Agentes do governo dos Estados Unidos poderiam ter levado os astronautas e alguns auxiliares a um treinamento secreto no Deserto de Nevada, Estados Unidos, que, em vários locais, tem uma enorme similaridade com a aparência das fotos que teriam sido tiradas na Lua. Assim, teriam montado todo o cenário, tirado as fotos e feito as filmagens do local. Ao final do treinamento, após os astronautas voltarem para a NASA pilotando um helicóptero, os auxiliares técnicos teriam guardado todos os equipamentos num caminhão baú para voltarem pra casa. Não seria difícil para uma pessoa com má intenção e que costuma andar armada dar sumiço nos auxiliares técnicos num lugar inóspito como o Deserto de Nevada. Caso isso acontecesse, tais corpos provavelmente nunca seriam encontrados. Após o serviço sujo, os próprios agentes teriam levado o caminhão com os equipamentos de volta à NASA. Todos os envolvidos teriam sido mortos sem que os astronautas soubessem. Todo o material teria sido levado a estúdios, onde teriam sido realizados efeitos especiais nos filmes e fotos. Fora os diretamente envolvidos, apenas mais uma pessoa estaria sabendo da trama, sendo este o principal mentor da falcatrua: o presidente Richard Nixon. Perceba que ele foi o único presidente dos Estados Unidos que vivenciou, em apenas três anos, todas as seis supostas viagens do homem à Lua, entre 1969 e 1972. Após a saída de Nixon do poder, nunca mais astronauta algum fora enviado à Lua.

       
Presidente Richard Nixon cumprimentando os astronautas da Missão Apollo 11 na van onde eles ficaram em quarentena. (amplie a primeira foto e veja se os astronautas estão felizes ou apreensivos com o feito histórico)

Richard Nixon não teria se envolvido apenas no escândalo da farsa do homem na Lua. Ele foi também o mentor intelectual e principal articulador do Caso Watergate, que ocorreu em 1972, quando a sede do Partido Democrata sofreu uma espionagem com escuta ilegal. Nixon, que era do Partido Republicano, queria a CIA e o FBI juntos para grampearem telefones, invadirem casas, violarem correspondências, além de outras práticas inadmissíveis num país democrático. Porém, Richard Nixon não conseguiu o apoio do então diretor do FBI John Edgar Hoover, que morreu logo em seguida, em maio de 1972. Um mês e meio após a morte de Hoover, o plano de Nixon entrava em ação, em 17 de junho de 1972, sendo comprovado após investigação independente do jornal The Washington Post. Mesmo com a prisão e a sentença dada aos invasores, Nixon foi reeleito em novembro de 1972. No dia 17 de maio de 1973, Nixon sofreu um processo de impeachment, acusado por abuso de poder, entrave à justiça e falso testemunho; e acabou renunciando ao cargo no dia 8 de agosto de 1974 antes de ser deposto.

Para conhecer um pouco mais da vida de Richard Nixon, o homem que manchou a história dos Estados Unidos sendo o primeiro presidente que passou por um processo de impeachment, acesse o endereço www1.folha.uol.com.br/folha/almanaque/mundo_09ago1974.htm onde há uma matéria criada pelo jornal Folha de São Paulo. E para saber mais sobre o Caso Watergate, acesse o endereço www.canaldaimprensa.com.br/nostalgia/dquintedicao/nostalgia1.htm do site Canal da Imprensa.

Continuando o meu raciocínio sobre o que realmente aconteceu na época, com as fotos e filmes prontos, os Estados Unidos teriam feito aquele mega marketing mundial atraindo todos os holofotes para si, teriam combinado tudo com os astronautas, dizendo-lhes que eles seriam tratados como heróis por toda a humanidade e teriam tratamentos dignos de reis pro resto de suas vidas e que nunca pessoa alguma provaria que eles não estiveram na Lua. Com tudo pronto, lançaram o foguete Saturno V com os astronautas pro espaço. Mas, a nave, teria ficado apenas em órbita da Terra. A partir daí, a NASA teria começado a transmitir, “ao vivo”, um filme que já estava pronto cheio de imagens com efeitos especiais mostrando a ida do homem à Lua, o pouso da nave, a caminhada lunar e a volta pra casa. Daí pra frente foi fácil. Os astronautas precisariam apenas ficar na órbita terrestre esperando o espetáculo terminar antes de receberem o sinal para retornarem para casa, adentrando novamente na atmosfera terrestre até caírem no Oceano Pacífico e serem resgatados.

 

 

 

 

               
Astronautas de volta à Terra no módulo da Missão Apollo 11 que caiu no oceano para serem resgatados.

Jogo dos 7 erros

A foto abaixo, tirada durante a Missão Apollo 12, tem tanta incoerência que até poderia ser chamada de Jogo dos 7 erros. Olhe atentamente para esta foto e tente encontrar os 7 erros antes de ler as respostas abaixo:

1 – A sombra da antena parabólica está para um lado, a do astronauta para outro e a da bandeira para outro!
2 – A bandeira deveria estar totalmente caída no mastro, devido à ausência de vento na Lua.
3 – Há diversas penumbras na foto, que não deveriam existir num ambiente sem atmosfera.
4 – Há pegadas por toda a parte, que não deveriam existir num ambiente sem umidade.
5 – Não há estrelas no céu, que deveriam estar mais nítidas na Lua.
6 – No chão, embaixo do Módulo Lunar, não há indícios dele ter pousado ali.
7 – Um astronauta nunca pousaria uma espaçonave bem ao lado de uma cratera!

Por incrível que pareça, depois que o site A Fraude do Século já estava no ar, ainda encontrei mais um erro na foto acima! Isso mesmo. Agora são 8 erros! Ampliando cada foto tirada pela NASA você pode verificar que, na lente interna das câmeras fotográficas utilizadas, há tênues cruzes utilizadas como marcadores para que as imagens a serem fotografadas fossem melhor focalizadas. Essas cruzes ficam na parte interna da câmera, entre o filme e o obturador. Na foto acima, poderia ter sido utilizada uma lente objetiva para distorcer um pouco a imagem, conforme pode ser comprovado ampliando a própria foto, mas tal lente objetiva estaria do lado de fora da câmera e nunca poderia distorcer as cruzes constantes na foto, feitas pela lente interna da câmera! Veja que as cruzes estão distorcidas! Portanto, só me resta concluir que esta foto foi manipulada em estúdio!

Cruzes distorcidas que podem ser vistas ampliando a foto.

Para que você mesmo possa visualizar a foto acima em tamanho original, bem como qualquer outra foto, siga os seguintes passos:

1 – Clique na imagem acima para abrir a foto completa diretamente do site da NASA.
2 – Clique com o botão da direita do mouse sobre a imagem e selecione a opção Copiar.
3 – Abra um editor gráfico qualquer, como o Paint, por exemplo.
4 – Acesse o menu Editar e a opção Colar.
5 – Utilize as barras de rolagem e analise cada detalhe da foto.

Resumo dos Indícios de Fraude

1 – Existem diversas fotos com sombras em várias direções, sendo que a única fonte de luz seria o Sol e todas as sombras deveriam ser paralelas.

2 – Fotos com diferentes tamanhos da Terra, vista da Lua, evidenciando montagens desproporcionais.

3 – Existem milhares de fotos com penumbra, sendo que não deveria haver penumbra na Lua devido à ausência da atmosfera.

4 – Faltam as estrelas no fundo de todas as fotos. Com a ausência da atmosfera, as estrelas seriam ainda mais reluzentes.

5 – Nas fotos e vídeos, a bandeira dos EUA aparece tremulando na superfície lunar. Porém, não existe vento na Lua simplesmente porque na Lua não há atmosfera.

6 – Em centenas de fotos, há pegadas dos astronautas na Lua. Mas, seria difícil haver formação de pegadas devido à falta de umidade e de gravidade.

7 – Numa das fotos, há indício de alguém ter colocado embaixo de um dos pés do Módulo Lunar um montinho de terra para que este pé não ficasse no ar.

8 – Pelo que se vê nas fotos, não houve pouso do Módulo Lunar. Ele teria sido colocado delicadamente naquele local. Não há marcas no solo do propulsor da nave.

9 – No mesmo lugar onde o pé do astronauta cria uma profunda pegada na superfície lunar, o pé do módulo lunar se mostra muito delicado na superfície da Lua, sem causar qualquer estrago.

10 – Pelo tamanho do Módulo Lunar, dificilmente existiria nele combustível o suficiente para colocá-lo em órbita novamente.

11 – Não existem, até hoje, filmes fotográficos que resistam à enorme variação de temperatura que ocorre na Lua.

12 – Em 1969, os astronautas conversavam, da Lua, com a NASA, na Terra, em tempo real. Esta tecnologia não existe até hoje.

13 – A radiação solar incidente na Lua, sem atmosfera, é mortal para qualquer ser humano.

14 – Dificilmente existiriam roupas espaciais, na época, que resistissem às enormes variações de temperaturas da Lua (-153ºC a +107ºC).

15 – Dificilmente existiriam roupas espaciais, na época, que resistissem à ausência da pressão atmosférica na Lua.

16 – Extrema semelhança do ambiente das fotos mostradas pela NASA com o Deserto de Nevada, nos Estados Unidos.

17 – Indício de Stanley Kubrick dentro da NASA, que poderia ter auxiliado na criação dos efeitos especiais utilizados na fraude.

18 – Oficialmente, a NASA só teria realizado seis missões tripuladas à Lua, de 1969 a 1972, exatamente durante a gestão do presidente Richard Nixon. Após isso, nunca mais o homem teria voltado à Lua.

19 – Richard Nixon, envolvido em falcatruas que mancharam a imagem dos Estados Unidos, foi o principal articulador do escandaloso Caso Watergate, o qual culminou em sua renúncia durante o primeiro processo de impeachment estadunidense. Nixon poderia ter tramado a fraude do homem na Lua para atrair investimentos para os Estados Unidos. Sua história o condena.

20 – Indício de manipulação na foto do “Jogo dos 7 Erros” mostra várias cruzes distorcidas, mas tais cruzes não poderiam estar distorcidas nem mesmo por lentes objetivas, que ficam do lado externo da câmera, já que essas cruzes fazem parte de um recurso interno da câmera.

21 – Mesmo gastando apenas 6 meses para programar uma nova viagem à Lua na década de 1960, George Bush diz que a NASA gastará 10 anos para levar o homem à Lua novamente.

22 – Plano dos Estados Unidos enviarem o homem à Lua é alterado de 2015 para 2020.

23 – NASA afirma que não deve conseguir levar o homem à Lua novamente até 2020.

24 – Mesmo tendo ciência de que tinha posse de tal material, a NASA nunca exibiu as imagens do primeiro pouso do homem na Lua que teriam sido gravadas em fitas de vídeo e retornado à Terra com qualidade extremamente superior às transmitidas “ao vivo”.

25 – Em 2006, a NASA afirma ter perdido os vídeos originais do primeiro pouso na Lua, que teriam qualidade bem superior aos exibidos a todos até hoje.

26 – Em 2009, a NASA declara que, para economizar dinheiro, e sem ter cópias das fitas originais, gravou intencionalmente outras imagens e dados de satélites em cima das fitas originais que continham o fato histórico mais importante da NASA em todos os tempos.

27 – Richard Nafzger, engenheiro da NASA, afirma que o objetivo maior do governo dos Estados Unidos em relação à ida do homem à Lua era para efeito de marketing ao vivo.

28 – Em várias fotos, o local onde se encontram os astronautas aparece bem iluminado, mas os locais ao fundo aparecem muito escuros dando indício de ter sido utilizada iluminação artificial.

Contestações aos Indícios de Fraude

Tal como contesto a ida do homem à Lua, há também os que me contestam. E, tentando agir de forma democrática, reservei este espaço para a publicação das ideias contrárias às minhas. Vamos ver, então, o que a NASA e cientistas alegam em relação aos indícios de fraude quanto à ida do homem à Lua:

1 – Sombras em várias direções.

A NASA afirma que irregularidades no terreno podem fazer com que passemos a ver uma sombra para uma direção e outra sombra para outra direção.

2 – Fotos com diferentes tamanhos da Terra.

A NASA informa que, dentre os diversos treinamentos pelos quais os astronautas passaram, eles fizeram também cursos de fotografia. Então, enquanto tiravam as fotos, teriam utilizado várias lentes especiais como as lentes objetivas que, dentre outras funções, poderiam aumentar ou diminuir os objetos a serem fotografados. A lente objetiva grande angular, por exemplo, poderia ter mostrado o planeta Terra mais distante do normal. E, com o uso de várias lentes diferentes, poderiam ter tirado fotos da Terra que aparecesse com vários tamanhos diferentes.

3 – Existência de penumbra na Lua.

A NASA explica que, como a Lua reflete a luz do sol, o solo da própria Lua estaria refletindo a luz solar iluminando, então, em menor intensidade, tudo que estivesse sobre a Lua como, por exemplo, os próprios astronautas. Assim, seria possível a formação das penumbras.

4 – Ausência de estrelas no fundo das fotos.

De acordo com a NASA, na Lua, a luz do Sol é tão intensa que ofusca a luz das estrelas. Outro argumento utilizado é que, para uma câmera captar a luz das estrelas, ela deveria ficar com o obturador da câmera aberto por mais tempo, o que não poderia acontecer na Lua, pois a luz solar queimaria a foto.

5 – Bandeira dos Estados Unidos tremulando na superfície lunar.

Segundo a NASA, não havia vento. A bandeira estava tremulando nas fotos e vídeos devido aos astronautas estarem a manipulando nos momentos em que a bandeira era fotografada ou filmada fazendo com que, desta forma, parecesse que havia vento na Lua.

6 – Formação de pegadas na Lua.

A NASA afirma que realmente, na Terra, é mais fácil haver a formação de pegadas num local onde haja umidade tendo em vista que os grãos de poeira da Terra têm os cantos arredondados e, em contato com a água, que preenche os espaços entre um grão de poeira e outro, esses grãos se mantém firmes e juntos. E, por outro lado, normalmente, uma pegada em solo seco se desfaz facilmente. Porém, segundo a NASA, as partículas de poeira lunares têm os cantos totalmente irregulares fazendo com que, ao serem pressionados, um grão de poeira acaba grudando em outro formando, assim, as pegadas na Lua.

7 – Indício de alguém ter colocado embaixo de um dos pés do Lunar um montinho de terra para que este pé não ficasse no ar.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

8 – Ausência de marcas no solo referentes ao propulsor do módulo lunar.

O propulsor do módulo lunar teria apenas expelido gases para frear a nave e realizar a alunissagem. Por isso, não haveriam marcas no solo.

9 – Aparência delicada do pé do módulo lunar na superfície da Lua.

A NASA afirma que os gases expelidos pelo propulsor do módulo lunar teriam espalhado a poeira que havia sob o módulo lunar. Então, a nave teria feito a alunissagem numa superfície rígida.

10 – O tamanho do Módulo Lunar seria inconsistente com o espaço necessário para armazenar combustível para colocá-lo em órbita novamente.

De acordo com a NASA, como a gravidade na Lua é apenas um sexto da gravidade na Terra, o Módulo Lunar precisaria de pouca força para ser colocado em órbita da Lua, onde Michael Collins aguardava Neil Armstrong e “Buzz” Aldrin para retornarem à Terra.

11 – Não existem filmes fotográficos que resistam à enorme variação térmica existente na Lua (-153ºC a +107ºC).

De acordo com a NASA, as câmeras fotográficas estavam bem protegidas quanto à variação térmica existente na Lua. Além disso, a NASA teria escolhido um momento propício para os astronautas descerem do Módulo Lunar e caminharem pela Lua quando a temperatura estava mais amena. E, como na Lua não há atmosfera, a luz do sol, na Lua, não esquenta tanto quanto na Terra. Pois, a atmosfera acaba absorvendo o calor e este se propaga por meio da condução ou convecção. Portanto, na Lua, a única forma de propagação do calor seria pela radiação, ou seja, a luz do sol deveria incidir diretamente sobre o objeto para que este atingisse certa temperatura. Porém, utilizando uma superfície espelhada (tal como é utilizado aqui na Terra nas garrafas térmicas) para refletir os raios solares ou uma superfície branca, a radiação térmica seria irradiada para outros locais sem que o objeto em questão sofresse as variações térmicas incidentes.

Em relação à luz branca, quem já estudou desenho (ou pintura) sabe que a cor preta equivale à ausência de cor e que a cor branca representa, a grosso modo, a junção de todas as cores. Sendo assim, quando uma luz incide sobre uma cor preta, ela tende a puxar para ela todas as cores. E, quando uma luz índice sobre uma cor branca, a tendência é que essa cor branca repila todas as cores que está recebendo. Devido a isso, podemos notar que as roupas pretas esquentam muito e que as roupas brancas são mais frescas.

Então, segundo a NASA, devido ao fato de suas câmeras fotográficas estarem protegidas com as superfícies espelhadas ou brancas, os filmes internos dessas câmeras não teriam sofrido a variação térmica existente na Lua. E, por isto, as fotografias teriam chegado em tão boa qualidade aqui na Terra.

12 – Conversas entre a Lua e a Terra que aconteciam em tempo real.

Segundo estudiosos, as conversas não aconteciam em tempo real. A distância média da Terra para a Lua é de 384.400 quilômetros. E uma transmissão de sinal de rádio ocorre com a mesma velocidade da luz, ou seja, cerca de 300.000 quilômetros por segundo. Então, gasta-se pouco mais de um segundo para que um sinal de rádio emitido da Terra chegue à Lua, e pouco mais de um segundo para que este sinal de rádio volte para a Terra. Sendo assim, como as gravações eram realizadas na Base de Houston, nos Estados Unidos, haveria uma demora mínima de 2,4 segundos para um som sair dos Estados Unidos, chegar à Lua, e retornar para os Estados Unidos. Portanto, os astronautas demorariam para receber, na Lua, os sinais sonoros emitidos da Terra. A Base de Houston também demoraria para receber os sinais sonoros emitidos da Lua, gastando para isso um mínimo de 2,4 segundos. Porém, a Base de Houston não demoraria para, após ouvir algo, responder logo em seguida.

13 – Radiação solar que deveria ser mortal para Aldrin que não estava usando a proteção.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

14 – Roupas espaciais que resistiam às enormes variações térmicas da Lua.

As roupas espaciais não resistiriam a tanta variação térmica, mas resistiriam à variação térmica dos momentos em que o homem teria pisado na Lua, com a temperatura mais amena. Segundo a NASA, as roupas espaciais teriam internamente água fria que circulam para controlar a temperatura corporal dos astronautas.

15 – Roupas espaciais que resistiam à ausência da pressão atmosférica na Lua.

Essas roupas espaciais seriam pressurizadas para resistir à ausência de pressão atmosférica.

16 – Extrema semelhança do ambiente das fotos mostradas pela NASA com o Deserto de Nevada, nos Estados Unidos.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

17 – Indício de Stanley Kubrick dentro da NASA.

Uma segunda foto disponibilizada pela NASA mostra o rosto da pessoa que estava encoberta na primeira foto e pode-se notar que trata-se de uma outra pessoa e não de Stanley Kubrick.

18 – Oficialmente, a NASA só teria realizado seis missões tripuladas à Lua, de 1969 a 1972, exatamente durante a gestão do presidente Richard Nixon. Após isso, nunca mais o homem teria voltado à Lua.

Segundo a NASA, missões espaciais são muito caras e os dados que a NASA pretendia coletar da Lua já foram coletados não havendo, assim, necessidade de retorno ao satélite natural da Terra.

19 – Richard Nixon, envolvido em falcatruas que mancharam a imagem dos Estados Unidos, foi o principal articulador do escandaloso Caso Watergate, o qual culminou em sua renúncia durante o primeiro processo de impeachment estadunidense. Nixon poderia ter tramado a fraude do homem na Lua para atrair investimentos para os Estados Unidos. Sua história o condena.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

20 – Indício de manipulação na foto do “Jogo dos 7 Erros”.

Segundo a NASA, não se trata de uma única foto e sim de diversas fotografias agrupadas de forma panorâmica num estúdio profissional. A foto realmente teria sido manipulada, mas apenas para criar a foto panorâmica. Por isso, as cruzes apareceram distorcidas na foto panorâmica.

21 – Mesmo gastando apenas 6 meses para programar uma nova viagem à Lua na década de 1960, George Bush diz que a NASA gastará 10 anos para levar o homem à Lua novamente.

Tendo em vista que seria criada uma base lunar na próxima missão lunar, a NASA gastará muito mais tempo que os apenas seis meses que gastava antigamente para levar o homem à Lua.

22 – Plano dos Estados Unidos enviarem o homem à Lua é alterado de 2015 para 2020.

A NASA estaria gastando mais tempo para fazer um projeto mais seguro.

23 – NASA afirma que não deve conseguir levar o homem à Lua novamente até 2020.

Preocupada com a segurança, a NASA está revendo o projeto do novo Foguete Ares I tendo em vista que estão ocorrendo “oscilações de empuxo” e os engenheiros estão desenvolvendo anteparos para amortecer as vibrações.
Outro problema é financeiro tendo em vista que o governo Obama cortou bilhões de dólares das verbas futuras da NASA, o que acarreta na suspensão de trabalhos.

24 – A NASA nunca exibiu as imagens do primeiro pouso do homem na Lua que teriam sido gravadas em fitas de vídeo e retornado à Terra com qualidade extremamente superior às transmitidas “ao vivo”.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

25 – Em 2006, a NASA afirma ter perdido os vídeos originais do primeiro pouso na Lua, que teriam qualidade bem superior aos exibidos a todos até hoje.

Segundo a NASA, as pessoas que trabalhavam no arquivo da NASA mudaram de emprego, aposentaram ou até mesmo faleceram. Devido a isso, a NASA teria perdido o controle sobre o local onde estavam as fitas com as gravações originais.

26 – Em 2009, a NASA declara que, para economizar dinheiro, e sem ter cópias das fitas originais, gravou intencionalmente outras imagens e dados de satélites em cima das fitas originais que continham o fato histórico mais importante da NASA em todos os tempos.

Conforme já declarado acima, a NASA insiste em dizer que apagou as fitas originais do seu maior feito histórico para economizar dinheiro.

27 – Richard Nafzger, engenheiro da NASA, afirma que o objetivo maior do governo dos Estados Unidos em relação à ida do homem à Lua era para efeito de marketing.

A NASA ainda não veio a público contestar esta informação dada pelo engenheiro Richard Nafzger.

28 – Indício de ter sido utilizada iluminação artificial em várias fotos nas quais os astronautas aparecem bem iluminados, mas os locais ao fundo se mostram muito escuros.

(até o momento, desconheço explicação plausível para isso)

 

The Mythbusters

O Programa The Mythbusters (Os Caçadores de Mitos) fez um programa especial analisando alguns dos indícios de fraude descritos no site A Fraude do Século. Segundo Os Caçadores de Mitos, 20% do povo norte-americano não acredita que o homem tenha pisado na Lua. Então, eles criaram um filme muito interessante com o intuito de provar que o homem teria ido sim à Lua.

Os Caçadores de Mitos analisaram vários dos indícios de fraude e fizeram um excelente trabalho procurando, de várias formas possíveis, explicações para que pudessem ser refutados tais indícios. Com isso, eles conseguiram explicar alguns dos indícios como a formação de sombras em várias direções, a possibilidade de um astronauta ser visível estando no meio de uma sombra, a formação das pegadas na Lua, a bandeira tremulando no vácuo dentre outras.

Um último teste que eles fizeram foi lançar um feixe de laser num retrorefletor que teria sido deixado na Lua durante a Missão Apollo 15 e aguardar o retorno desse feixe de laser na Terra. De acordo com equipamentos sensíveis ligados aos computadores do Observatório Apache Point, onde foi realizado o teste, partículas do feixe de laser teriam retornado à Terra.

É de se saber que existem diversos componentes na Lua que foram lançados daqui da Terra. O Projeto Luna da extinta União Soviética, por exemplo, lançou várias naves espaciais para atingirem a Lua. O objetivo inicial desse projeto era lançar uma nave da Terra e fazê-la colidir com a Lua. Isso era feito para que os engenheiros pudessem calcular com maior precisão o trajeto necessário para chegar à Lua. Várias naves erraram o alvo e estão perdidas no espaço até hoje, mas várias outras acertaram a Lua. Então, há muito material do nosso planeta no solo lunar.

Seguindo uma sugestão dada por um visitante do site A Fraude do Século e agindo de forma democrática, estou publicando, abaixo, os links do YouTube para que você possa assistir aos vídeos de Os Caçadores de Mitos para que você tenha acesso também às informações de quem contesta algumas de minhas contestações. O vídeo completo está nas 5 sequências abaixo:

Parte 1: www.youtube.com/watch?v=-bWMR4pac0Q
Parte 2: www.youtube.com/watch?v=QbkwrcQ2jQQ
Parte 3: www.youtube.com/watch?v=TNNXIhI8CAY
Parte 4: www.youtube.com/watch?v=yYhJZYhaBJc
Parte 5: www.youtube.com/watch?v=0Sia7u7IUT8

Os vídeos de Os Caçadores de Mitos explicam alguns indícios de fraude. Mas, só alguns. E, por falar nisso, brevemente publicarei aqui novos indícios que ainda não foram publicados.

*Caso links da Matéria não estiverem mais disponíveis para serem acessados é porque covardemente foram deletados. Quem não deve, não teme!

Finalização

É claro que tudo o que está escrito aqui reflete apenas o meu pensamento. É o que eu, pessoalmente, acredito que aconteceu. Não quer dizer que isto seja o que realmente tenha acontecido de verdade. E, por falar em verdade, parece que esta palavra ficou faltando na real história da viagem do homem à Lua…

Duvide de tudo. Tal como estou contestando a NASA, há muitos que também me contestam. Procure você mesmo o caminho da verdade.

“Não acredite no que eu digo, pois é a minha experiência e não a sua. Experimente, indague e busque.”
Osho Rajneesh

“Sempre que ensinares, ensina a duvidarem do que estiveres ensinando.”
José Ortega y Gasset

“Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas pessoas por algum tempo;
mas não consegue enganar todas as pessoas o tempo todo.” Abraham Lincoln

 

E então? Você ainda acredita que o homem foi à Lua?

André Basílio nasceu em Belo Horizonte, estado de Minas Gerais, em 10 de julho de 1971 sendo formado em Processamento de Dados e Administração de Empresas.

Como consultor, já escreveu mais de 100 matérias de informática para vários jornais do Estado de Minas Gerais, já tendo atuado também como colaborador e revisor de um dos livros do professor Pasquale Cipro Neto. 

 

 

 

Links Interessantes

Deixo, abaixo, alguns links indicados pela NASA, que estão relacionados no endereço http://science.nasa.gov/headlines/y2001/ast23feb_2.htm, contestando alguns dos indícios descritos aqui. Confesso que algumas explicações dadas eu até poderia aceitar. Mas, várias delas, simplesmente não dá para engolir! Sugiro que você acesse cada um dos links abaixo e tire suas próprias conclusões:

www.badastronomy.com
http://science.nasa.gov/headlines/y2001/ast23feb_2.htm
NASA’s Moon Hoax
Comments on the FOX Moonlanding Hoax Special
JSC’s Lunar Sample Laboratory Facility Tour
Moon Rocks

Sugiro acessar também o link Comentários, localizado no topo deste site, onde você poderá ler várias críticas de visitantes do site A Fraude do Século.

Deixo aqui também o endereço do site www.moontruth.com, que é, na verdade, uma sátira à viagem do homem à Lua. O site conta uma estorinha de mentira e mostra vídeos hilariantes. As filmagens foram feitas em Londres, em maio de 2002, sendo baseadas numa ideia do diretor Adam Stewart, que veio a falecer em agosto do mesmo ano “devido a uma severa reação alérgica de algo que ele comera”.
O vídeo principal do site pode ser visto acessando o endereço www.moontruth.com/clips/moontruth.mpg.
No endereço www.moontruth.com/makingOf.htm você encontrará outros vídeos engraçados.

Meu intuito em divulgar estas ideias não é mostrar às pessoas que existe uma verdade incontestável diferente da que elas conhecem, mas de mostrar que existem outros pontos de vista sobre o que realmente ocorreu de 1969 a 1972. Considero que há dois caminhos a percorrer, várias teorias a traduzir e analisar. Indico a todos que percorram esses dois caminhos e tirem suas próprias conclusões.

Obrigado por visitar o site A Fraude do Século!

André Basílio.

*Caso links da Matéria não estiverem mais disponíveis para serem acessados é porque covardemente foram deletados. Quem não deve, não teme!

 

10 Razões que provam que o homem nunca foi à Lua:

1 – A brisa na bandeira americana

Os “teóricos da conspiração” têm apontado que quando o primeiro pouso na Lua foi mostrado ao vivo na televisão, os telespectadores puderam ver claramente a bandeira americana sacudindo como que se existisse vento por lá, logo após Neil Armstrong e Buzz Aldrin terem a cravado no chão. Fotos do desembarque (imagem acima) também mostram a bandeira ondulada, como se estivesse sobre efeito de uma brisa. O problema é que não há ar na atmosfera da lua, e, portanto, qual vento teria causado os efeitos na bandeira?
.
Resposta da NASA: Esse fenômeno é algo comum. Eles afirmam que a bandeira foi guardada em um tubo fino e o efeito ondulado foi causado por ela ter sido desenrolada antes de ser fixada. Outra explicação, desta vez sobre a agitação da bandeira no vídeo, afirma que as ondulações foram causadas pela força da reação dos astronautas tocando e sacudindo a haste de alumínio dela.
.

2 – Ausência da marca do impacto na superfície

Será que a Apollo realmente pousou na lua? Se sim, deveria existir uma cratera causada pelo impacto da aeronave debaixo do módulo lunar. Nas filmagens ou fotografias dos desembarques não encontramos nenhuma cratera, é quase como se o módulo tivesse sido colocado lá. A superfície da lua está coberta por uma poeira fina lunar, mas nas fotografias esta fina camada não parece ter sido deslocada.
.
Resposta da NASA: A NASA afirma que o impacto do módulo nas condições de baixa gravidade da Lua é muito menor quando comparado com o pouso aqui na Terra. A superfície da lua em si é bastante sólida, portanto, uma cratera de impacto provavelmente não seria viável, assim como um avião não deixa uma marca de impacto quando toca o chão de uma pista de concreto.
.

3 – Múltiplas fontes de iluminação

Na lua há apenas uma fonte de luz: o Sol. Portanto, é justo sugerir que todas as sombras deveriam estar no mesmo ângulo. Mas isto não aconteceu no pouso da NASA. Vídeos e fotografias mostram claramente que as sombras têm diferentes ângulos (imagem acima). Os teóricos da conspiração sugerem que isso deve significar múltiplas fontes de luz, o que sugere que as fotos foram tiradas em um set de filmagem.
.
Resposta da NASA: A NASA tentou culpar a paisagem irregular da Lua, afirmando que as inclinações e colinas sutis da superfície foram as responsáveis pelas discrepâncias. Esta explicação acabou se tornando motivo de piada para os teóricos. Como colinas poderiam causar diferenças angulares tão grandes? Na imagem acima por exemplo, a sombra no módulo lunar contradiz claramente o que afirmaram, as rochas do primeiro plano estão em um ângulo de quase 45 graus em relação à sombra do astronauta.
.

4 – O misterioso reflexo no capacete

Depois das fotografias dos pousos na lua, os teóricos rapidamente perceberam um objeto misterioso (imagem acima) no reflexo do capacete de um astronauta da missão Apollo. O objeto parece estar pendurado por uma corda ou fio e não tem razão para estar lá, levando alguns a sugerir que ele seria na verdade um holofote, normalmente encontrado em estúdios de cinema. A semelhança é questionável, dada a má qualidade da fotografia, mas o mistério permanece, pois não há razão pela qual algo estaria flutuando ali na lua.
.
Resposta da NASA: Não há. O módulo lunar em outras fotos parece não ter extensão na parte superior que corresponderia ao objeto do reflexo da foto, de modo que a origem do objeto ainda permanece totalmente inexplicável.

.
5 – O cinturão de radiação Van Allen

Para alcançar a Lua, os astronautas tiveram que passar por aquilo que é conhecido como o cinturão de radiação de Van Allen. O cinto é mantido no lugar pelo campo magnético da Terra e permanece sempre no mesmo lugar. As missões da Apollo à Lua marcaram as primeiras tentativas dos seres humanos vivos em atravessar o cinturão. Os teóricos da conspiração afirmam que os níveis absolutos de radiação teriam cozinhado os astronautas em rota para a lua, apesar das camadas de revestimento de alumínio no interior e exterior do nave.
.
Resposta da NASA: A NASA têm combatido este argumento, enfatizando que o curto período de tempo que os astronautas levaram para atravessar o cinto foram doses muito pequenas, e portanto insignificantes, de radiação.
.

6 – O vídeo teve sua velocidade alterada, e os astronautas usaram cabos para pular

A fim de apoiar alegações de que os pousos na lua foram filmadas em um estúdio, os “teóricos da conspiração” levaram em consideração as condições de baixa gravidade que eles simularam. Eles sugerem que, se você pegar a filmagem do pouso na Lua e aumentar sua velocidade em 2,5 vezes, os astronautas parecem estar se movendo como se estivessem sob influência da gravidade da Terra. Isto sugere que o vídeo na verdade foi alterado para causar a impressão da baixa gravidade. Quanto à impressionante altura do salto do astronauta, algo impossível de se realizar na gravidade da Terra, cabos e fios ocultos podem ter dado aos astronautas a altura extra. Em algumas cenas do vídeo é possível ver esboços de supostos cabos escondidos, como na imagem acima por exemplo, que supostamente mostra um fio, embora esta prova seja extremamente vaga.
.
Resposta da NASA: Não há.
.

7 – Cadê as estrelas?

Um dos argumentos mais convincentes que provam que o pouso na Lua foi uma farsa é a falta de estrelas em qualquer uma das provas fotográficas ou vídeo registrados. Não há nuvens sobre a lua, as estrelas então deveriam ser tão perpetuamente visíveis e significativamente mais brilhantes do que quando vemos aqui na Terra.
.
Resposta da NASA: A NASA culpa a má qualidade das fotografias. Algumas fotografias são de alta qualidade, no entanto, e é possível ver estrelas nestas fotografias. É algo realmente estranho, considerando o fato que até mesmo nós daqui da Terra, podemos tirar fotos de estrelas com qualidade inferior e ainda assim podemos vê-las.

.
8 – A misteriosa pedra “C”

Uma das mais famosas fotos dos pousos na Lua mostra uma rocha em primeiro plano com o que parece ser a letra “C” gravado nela. A letra parece ser quase perfeitamente simétrica, o que significa que é improvável que seja uma ocorrência natural. Tem sido sugerido que a pedra foi usada apenas para o cenário, e a letra “C” seria apenas uma marcação dos objetos de um set de filmagem. A cenógrafo poderia ter virado a rocha de forma errada, expondo acidentalmente a marcação.
.
Resposta da NASA: A NASA deu desculpas conflitantes para a letra, por um lado culpando o fotógrafo de ter adicionado a letra como uma brincadeira, enquanto que, por outro lado, dizendo que a tal letra pode ter sido simplesmente confundida com um fio de cabelo (ou seria um pentelho?) que ficou enroscado nela durante a ocasião da fotografia.
.

9 – O mistério das marcações nas fotografias

As câmeras usadas pelos astronautas durante os pousos na lua tinham marcações (miras) que ajudavam os astronautas com a escala e direção das imagens. É possível vê-las na frente dos objetos em quase todas as fotografias, o que é normal. Algumas das imagens, porém, mostram claramente a cruz da mira “atrás” de objetos na cena, o que implica que as fotografias podem ter sido editadas ou adulterada após a captação. A fotografia mostrada acima, por exemplo, não é uma ocorrência isolada. Há muitas outras imagens que mostram os objetos na frente da marcação (mira) das fotos, incluindo uma fotografia da bandeira americana e outra do rover lunar usado por eles.
.
Resposta da NASA: Não há.
.

10 – Dois locais diferentes, a mesma paisagem

Nas duas fotos da missão Apollo (mais acima) é possível observar claramente paisagens idênticas, apesar de serem oficialmente listadas pela NASA como tendo sido fotografadas a milhas de distância uma da outra. Uma das fotos mostra o módulo lunar, mas quando as fotografias foram capturadas, do módulo já havia saído de lá, assim como ele poderia estar lá em uma foto e desaparecer em outra? Bem, se você também é um teórico ‘hardcore’ da conspiração da missão Apollo na Lua, também vai achar que a NASA simplesmente usou o mesmo cenário de fundo ao filmar cenas diferentes de sua Lua cinematográfica.
.
A NASA tem sugerido que já a lua é muito menor do que a terra, os horizontes podem parecer aos olhos humanos serem significativamente mais próximos, quando que na verdade não são. Apesar disso, com base nas evidências dos teóricos, dizer que os dois montes visíveis nas fotografias estão a milhas de distância torna esta dúvida realmente plausível.
 .
OBS: Na década de 1960 não havia fotografia digital e segundo técnicos e engenheiros da Kodak e Fuji (duas das maiores fabricantes de filmes fotográficos do mundo), não existe conjunto celuloide (filme) capaz de suportar variações de temperatura no vácuo, de – 270º a 140º graus C, que ocorreriam na lua, ou seja: seria impossível tirar fotos num lugar desses. 

.

GUERRA FRIA 3.0
Recentemente a NASA liberou cerca de 8.000 fotos em Full HD das “missões do homem na Lua”. Estranho, logo numa época em que a Rússia vive uma contemporânea Guerra Fria com os EUA, e ameaçou contar ao mundo toda a verdade dos fatos. Fotos em Full HD? Numa época que nem foto digital se sonhava em ter.

Aqui… Veja as fotos que a NASA liberou recentemente para todos. Todas estão em Full HD.

https://www.flickr.com/photos/projectapolloarchive
https://www.flickr.com/photos/projectapolloarchive/page128

.

18/06/2015 –
Rússia abre investigação para saber se ida dos EUA à Lua é real

Reprodução

Reprodução

O homem realmente pisou na Lua?

As imagens dizem que sim, mas a Rússia parece duvidar um pouco disso. E não, não estamos de volta à Guerra Fria. Trata-se de uma investigação aberta pelos russos sobre a veracidade da ida dos Estados Unidos ao nosso satélite em 1969.

As investigações, segundo Vladimir Markin, representante do governo russo no Comitê de Investigações, têm como base o desaparecimento — já confirmado pela Nasa — das imagens originais da primeira viagem do homem à Lua. Além disso, a Rússia quer saber do paradeiro e das condições atuais das pedras lunares trazidas na missão.

“Não estamos afirmando que os Estados Unidos não foram à Lua e que fizeram apenas um filme sobre isso. Mas todos esses artefatos científico — ou talvez até culturais — são legados da humanidade e seu desaparecimento sem vestígios é uma perda para todos nós”, afirma Vladimir.

O desaparecimento em questão aconteceu aconteceu em 2009 e, segundo a Nasa, aconteceu porque fitas foram apagadas para a agência “economizar dinheiro”. A Nasa ainda defende que as imagens obtidas depois disso, vindas da CBS News, têm até qualidade superior às originais. Já sobre as pedras, se limitou a falar que “a maior parte do material está guardada”.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com

 

O Homem esteve na Lua? Graças aos internautas céticos russos darão a resposta!

Um grupo de russos céticos querem resolver uma controvérsia que já dura há décadas: se os astronautas americanos foram na lua ou não. Seu financiamento e projeto coletivo alcançou seu objetivo, por isso os pesquisadores vão construir um possível “menor e menos caro” para encontrar vestígios do satélite Lua.
.

Um grupo de pesquisadores russos lançaram  uma campanha bem sucedida de financiamento coletivo a fim de verificar se de fato astronautas americanos foram na lua ou não. O projeto já atingiu seu objetivo de coletar 800.000 rublos (cerca de US $ 13.000) para construir “micros satélites” com câmera HD e enviá-los para fotografar a superfície da lua.

“Quase todos os voos de teste para o povo da lua são apresentados pela agência espacial americana, a Nasa e ninguém pode verifica-los”, explicam os autores do projeto. Assim, eles querem construírem um satélite “menor e menos caro possível” para tirar fotos dos locais de desembarque de equipamentos americano, a lua e Apollo Lunokhod Soviética.
.

Em menos de dez dias a partir do início da campanha na Internet foi doado mais de 1.100.000 de rublos para o projeto ($ 20.000).

Assista o Vídeo Abaixo:

Fonte: https://actualidad.rt.com

FONTES: http://yournewswire.com/stanley-kubrick-confesses-to-faking-the-moon-landings/

http://www.afraudedoseculo.com.br/

http://ygordaniel.no.comunidades.net/a-fraude-do-homem-na-lua

https://actualidad.rt.com/ciencias/188168-estuvo-hombre-luna-internautas-escepticos-respuesta

http://www.segredosdomundo.co/2013/10/10-fatos-que-provam-que-o-homem-nunca.html

http://www.showdalua.com/

https://br.noticias.yahoo.com/blogs/super-incr%C3%ADvel/r%C3%BAssia-abre-investiga%C3%A7%C3%A3o-para-saber-se-ida-dos-eua-%C3%A0-lua-%C3%A9-real-151112853.html

*Caso links da Matéria não estiverem mais disponíveis para serem acessados é porque covardemente foram deletados. Quem não deve, não teme!

MAIS…

>> Leia também: TERRA PLANA: UMA TEORIA RIDÍCULA, ESDRÚXULA E ESTÚPIDA

>> Leia também: TERRA PLANA: A MÃE DE TODAS AS “TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO” OU EVIDÊNCIA CIENTÍFICA? TIRE AS SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES!

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Ciência
Apocalipse News
EUA vão vasculhar o Facebook de quem pedir visto para entrar no país

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS, na sigla em inglês) começará a procurar informações nas redes sociais...

Fechar