O que realmente está acontecendo na Síria? Quem são os “rebeldes”?

Nos últimos tempos, a Rússia se tornou alvo de acusações falsas e foi submetida a uma onda de críticas infundadas por coisas que não fez. O que nos faz querer saber o que acontece de verdade na Síria.

(25/12/2016) – “Todos as mídias internacionais continuam seguindo a situação na Síria e, em particular, em Aleppo, mas, por alguma razão, a descrevem muitas vezes de uma forma muito unilateral. Não é raro o foco segundo o qual a Rússia é “a má da fita” ou é culpada da morte da população civil. Teremos que ver se é realmente assim”, escreve Yuri Korchagin, embaixador da Rússia em Madri, em um artigo no jornal espanhol ABC.

O autor lembra os ataques da Força Aeroespacial russa contra os terroristas em Aleppo realizados em 18 de outubro. Algumas mídias falavam de “mortes entre a população civil”, e mencionam o chamado Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

“Mas sabem que a ONG se baseia em Londres e consiste de uma única pessoa? Esta organização obtém sua informação ‘no terreno’ de fontes supostamente confiáveis, porém as mesmas não são reveladas, seus dados não têm provas e, para piorar, foram desmentidos várias vezes. Então, será que se pode confiar cegamente nesta informação?”, pergunta Korchagin.

Desde fevereiro, a Rússia estabeleceu na Síria o Centro para a Reconciliação e, graças a seu desempenho, em apenas dez meses de atuação, 1.070 municípios e 94 grupos armados se juntaram ao processo de reconciliação. Mas a mídia ocidental prefere fazer vista grossa destes resultados.

Além disso, com o apoio da Rússia, foi iniciada a retirada dos grupos extremistas e de suas famílias de Aleppo, através de corredores humanitários. “Muito se fala da situação catastrófica da população civil síria. A Rússia envia ajuda humanitária, dezenas de milhares de toneladas de produtos alimentares, medicamentos, bens de primeira necessidade, geradores elétricos, etc., Moscou tem prestado também apoio médico: o Ministério da Defesa e o Ministério para Situações de Emergências da Rússia enviaram diversos hospitais móveis para a Síria. Há pouco, duas médicas russas que ajudavam as crianças em um desses hospitais morreram por causa de um ataque deliberado de grupos extremistas”, destaca Yuri Korchagin.

>> Leia também: O lado ‘escuro’ dos Capacetes Brancos: Vídeos falsos criam um escândalo na internet! 

“O objetivo da Rússia é transparente. Queremos que seja o povo da Síria a decidir seu futuro. Defendemos o respeito à soberania, à independência, à unidade e integridade territorial da Síria como um estado multiétnico, multiconfessional, democrático e laico. E, para que não haja dúvida, lutamos contra a ameaça terrorista representada pelo Daesh e Frente al-Nusra (grupos terroristas proibidos na Rússia)”, conclui o autor. [FONTE: Sputnik News]

Rússia entrega ajuda humanitária para cidadãos evacuados de Aleppo.

Síria: Quem são os “rebeldes”?

(23/12/2016) – Em meio à discussão acerca dos recentes acontecimentos na Síria e mais especificamente em Aleppo, é notável a confusão das pessoas em relação à identidade dos auto-proclamados revolucionários que combatem o governo sírio e seu presidente, Bashar Al-Assad. Quase seis anos se passaram desde o início da guerra, e imprensa e público parecem não terem entendido (ou talvez se esqueceram) de quem são os rebeldes. Muitas pessoas pegaram carona na comoção pública e não têm ideia do que de fato ocorre na Síria, enquanto que mesmo os apoiadores comprometidos da “Revolução Síria” demonstram eventualmente desconhecimento ou ambiguidade em relação aos grupos armados anti-governo.

Por André Ortega – Revista Ópera

O principal partido político no Brasil que presta solidariedade a esses grupos é o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU), partido de origem argentina, seguindo uma linhagem trotskista-morenista (Nahuel Moreno) e que foi corrente do PT nos anos 90. Entre suas lideranças e notáveis está o seu candidato presidencial, Zé Maria, que figurou como um grande sindicalista nos anos 80. O partido recentemente passou por um racha que o debilitou e deu origem à organização “MAIS”(Movimento por uma Alternativa Independente e Socialista). Apesar desse revés, o PSTU ainda faz parte e na prática dirige uma organização chamada de Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional (LIT-QI ou LIT-CI usando o espanhol do berço argentino), que também produz textos defendendo a “Revolução Síria” e atacando os “stalinistas” da esquerda que não compartilham desta posição.

O PSTU é frequentemente acusado de adotar as mesmas posições do imperialismo norte-americano por, como nesse caso, coincidir no chamado pela queda do “regime ditatorial do tirano Bashar al-Assad”, assim como presta solidariedade aos mesmos grupos armados pelos imperialismo. Sua posição é ainda menos incidental a partir do momento em que compreendemos que ela se dá num quadro de relações com elementos da Irmandade Muçulmana que atuam no Brasil na comunidade islâmica, contato que (até onde nós reles mortais podemos cogitar) foi provavelmente iniciado em movimentos de solidariedade à Palestina (as mentes mais ousadas ou melhor informadas dos bastidores podem ir mais longe). Dentro da esquerda a organização tem passado maus bocados por conta disso e se esforça para defender uma pluralidade de grupos armados que são majoritariamente formados por “radicais islâmicos” (as aspas não tornam a identificação menos verdadeira, mas é do nosso interesse especificar quem é quem – quem é Irmandade Muçulmana, quem é salafista, quem é Al Qaeda).

No intuito de trazer um pouco mais de esclarecimento a esse debate e às acusações presentes nele, bem como retirar a cortina de fumaça sob os grupos armados, quero compartilhar a leitura de um relatório publicado por Aron Lund no site do Think Tank “The Century Foundation“.

É importante antes estabelecer duas coisas: eu mesmo me situo no campo crítico à posição do PSTU, campo que considera a posição justa aquela anti-imperialista de se opor a uma agressão promovida pelos Estados Unidos e seus lacaios regionais (Arábia Saudita, Turquia, Israel, monarquias do golfo) contra a Síria através de grupos radicais que colocam em risco não só a independência, mas também o secularismo e a diversidade étnico-religiosa daquele país. Em segundo lugar, no entanto e a despeito da minha posição, estou utilizando aqui uma fonte ocidental que eu poderia caracterizar a partir de minha posição, no pior dos epítetos, como um dos principais propagandistas do imperialismo, membro do programa para Oriente Médio da Carnegie Endowment for International Peace (I.E. um promotor de revoluções laranjas e regime change), “especialista” responsável por grande parte do discurso contrário ao governo sírio na esquerda ocidental, pela promoção da “revolução” e do intervencionismo. O Think Tank TCF cabe nessa descrição, sendo ele um dos mais antigos produtores do discurso “liberal progressista” nos Estados Unidos, que tem como mote “progressismo, democracia, sociedade aberta e livre mercado”.

Dito isso, não quero atribuir uma legitimidade superior a eles por serem ocidentais ou definirem o discurso da esquerda liberal no ocidente, eu poderia muito bem usar fontes simpáticas ao regime, mas esclareço que este não é o caso. Não quero alimentar ilusões de que estas figuras são “mais neutras”, mas somente demonstrar algumas coisas utilizando uma fonte ocidental contrária a Bashar Al-Assad e que alimenta não só o discurso de uma grande parcela da esquerda como da própria mídia em geral (principalmente publicações como o The Guardian, The New York Times e The Huffington Post). O relatório mesmo é parte de um trabalho mais amplo financiado pela Corporação Carnegie de Nova York.

Reforçando que não atribuo legitimidade especial alguma a essas fontes, observo que muito do que será dito aqui são fatos bem conhecidos e tudo que faremos aqui é um certo choque de realidade para os esquecidos ou ignorantes, resumindo o texto de Lund e eventualmente fazendo pontuações críticas.

Para evitar as dificuldades da boa escrita em prosa dissertativa direta e fluída, vamos garantir clareza através de pontos:

– No primeiro parágrafo já é estabelecido que a maioria da população vive sob áreas controladas pelo governo Bashar al-Assad, o que é importante, para qualquer um de considerações humanitárias, saber. Acrescento que boa parte da Síria está em condições mais próximas da normalidade civil do que propriamente da guerra. Fiel à cartilha discursiva ocidental, Lund também se refere ao partido de Assad (o Ba’ath) como “russian backed and iranian backed”, ou seja, “apoiado” ou “segurado” por russos e iranianos. A Rússia e o Irã, como sabemos, de fato apoiam Assad, mas isso não muda que o partido tenha um ampla base de militantes e funcionários construída num período superior a 30 anos (superior a 50 se contarmos toda a história do partido). Esse tipo de discurso tenta sugerir uma falta de independência de um partido que surgiu sozinho na história síria e não como criação artificial ou recente dos países citados. São aliados e não patrões.

– No segundo parágrafo Lund é um pouco escorregadio ao falar de “milícias xiitas islamistas aliadas de Assad” contra “facções rebeldes árabes sunitas”. Temos uma tendência possivelmente desonesta de exagerar o papel politico das milícias xiitas (que no Iraque, na Síria e no Líbano combatem o “Estado Islâmico”, que daqui pra frente será referido como “DAESH”) de rebaixar o caráter islamista das facções rebeldes (esse segundo elemento da tendência será contido no restante do texto, como veremos). Além disso, há o perigo de tratar o conflito sírio como um conflito sectário, no molde racista-ocidental/orientalista de “xiitas e sunitas sempre se mataram, árabes são loucos sectários”, quando a maioria do também citado Exército Árabe Sírio (com “de Assad” no final) é formada por combatentes sunitas, existindo sunitas no alto escalão do Estado e do exército. Recusem qualquer sugestão em suas mentes que as origens do conflito estão em meras “diferenças religiosas”, um acerto de contas religioso ou coisa do tipo, porque é daí para a “solução” de que os “pobres selvagens” precisam da intervenção de uma terceira parte, o nobre cavaleiro branco com seu fardo civilizatório.

No mesmo parágrafo Lund observa que “muitas” das “facções rebeldes sunitas” recebem apoio da Arábia Saudita, do Qatar, da Turquia ou dos Estados Unidos. Esse apoio não é irrelevante ou minoritário como às vezes militantes do PSTU querem fazer parecer, e todos estes fazem parte de uma mesma “frente revolucionária”.

– Ainda no segundo parágrafo Lund coloca que “o governo parece estar consolidando suas posições em áreas chave”. Mais para frente, menciona que a queda de Aleppo Oriental é uma grande derrota estratégica e simbólica para a insurgência, “muitos de seus apoiadores devem acabar concluindo que eles foram derrotados”, isto é, enquanto “Revolução Síria”. O texto, porém, será sobre Ghouta Oriental.

– “O norte da Síria é dominado por facções islamistas como
, o Failaq al-Sham da Irmandade Muçulmana, e o grupo ligado com a Al Qaeda, Jabhat Al-Nusra (que se renomeu Fateh al-Sham em julho de 2016 e diz ter cortado vínculos com a Al Qaeda).”

Logo de Ahrar al-Sham.

Devo fazer algumas observações próprias: o Ahrar Al-Sham é um grupo radical wahabita, estrito, “fundamentalista”, apoiado pela Arábia Saudita e pela Turquia, mas é o grupo favorito especificamente dos sauditas, recebendo voluntários, armas, treinamento e dinheiro, além de santuário nas terras da dinastia Saud e lobby diplomático através desse país. Este grupo possui cerca de 20 mil soldados e era um dos que controlava Aleppo. São provavelmente o componente principal de uma frente com outros grupos chamada de “Frente Islâmica”, que conta com até 70 mil combatentes e cujo líder Zarhan Aloush declarou que “limparia a Síria” de xiitas e alawitas.

A Frente Islâmica é uma frente dominada por grupos salafistas e compostas por islamistas patrocinados por diversos países, alguns mais radicais do que outros, incluindo o que era a principal brigada de Aleppo e a mais famosa do “Exército Sírio Livre”, a Brigada Tawhid. A ideologia dos grupos apoiados pelo sauditas é uma corrente religiosa salafista (“fundamentalista”) do wahabismo, uma forma ultra-estrita e purista de Islã conforme pregado e praticado na Arábia Saudita, com uma ênfase especial na condenação dos “infiéis”, dos “hereges”(xiitas) e dos “hipócritas”; sunitas que fazem más práticas, não-ortodoxas, inovações e idolatria.

Logo de Failaq al-Sham.

O Failaq al-Sham (Legião do Sham) é a principal força armada dirigida pela Irmandade Muçulmana na Síria (mas não a única) e pode ser chamado de um dos grupos favoritos da Turquia (que na prática se tornou o “centro” da Irmandade Muçulmana). Recebem armas, dinheiro e tropas da Turquia, inclusive participando de uma ofensiva conjunta (Operação Jaraboulos) com o exército turco contra a milicias curdas do YPG em agosto de 2016. Também podemos dizer que são os “favoritos” dos árabes no Brasil que armam as manifestações pro-rebeldes ao lado do PSTU, eles mesmos amantes do Erdogan como líder de um “renascimento islâmico” e próximos, quando não membros, da Irmandade Muçulmana. A Legião foi responsável pela formação de uma coalizão com outros grupos islamistas de Aleppo (muitos provenientes do ELS e também ligados à Irmandade como o Jaysh Al-Sunna). Eles também fazem parte do “Exército da Conquista” criado pelo Jabhat al-Nusra. Possuem cerca de 4 mil combatentes, poucos se comparados com a franquia dos sauditas, mas com a importância exagerada devido a seus apoios políticos.

A Irmandade Muçulmana não é um grupo propriamente salafista, ainda que use “salafi” para se referir a si mesmo. É um grupo que assume algumas roupagens mais “modernas”, além de ser um dos precursores ideológicos e práticos do Islamismo político e do jihadismo, com uma longa experiência de oposição ao nacionalismo árabe. O grupo tenta passar uma imagem de “moderação” (talvez devido a suas origens notavelmente burguesas), imagem que foi desmoralizada não só por causa das campanhas terroristas que conduziu (especialmente na Síria) mas agora por inter-secções ideológicos e práticas até com o Daesh. Frequentemente apresentam noções ultra-conservadoras de estabelecimento da Sharia, quando não abertamente sectárias. Têm sua própria ideia de conservação da pureza do Islã com a influência de interpretes contemporâneos da religião e outros movimentos políticos (especialmente do ocidente). A estratégia de seu fundador egípicio para alcançar o ideal da unificação da comunidade dos fiéis (Ummah) é primeiro promover a islamização da sociedade “por baixo”, garantindo a supremacia dos valores tradicionais num processo gradual que culminaria na tomada do poder de uma forma ou de outra. Posteriormente passariam por outro grande ideólogo, Sayyid Qutb, que promoveria uma nova radicalização. Para Qutb o mundo muçulmano estava em ruínas, todos viviam em apostasia e a Irmandade Muçulmana precisaria ser um enclave ou refúgio de resistência dos verdadeiros crentes, onde formariam um núcleo sólido para a tomada do poder. Atualmente eles têm Erdogan como patrocinador e referência do “possível” – de certa forma é o mais próximo do “novo Califa” capaz de realizar a tal reunificação da Ummah. Eles também possuem representação parlamentar em alguns países, tiveram um breve período de poder no Egito com Mohamed Morsi, aumentam seu poder liderando a coalização do governo na Tunísia e foram historicamente instrumentalizados por regimes como o da monarquia marroquina (nas manifestações pro-rebeldes do PSTU em São Paulo sempre há entre os organizadores um senhor marroquino notável por suas loas ao regime daquele país).

Segundo Alain Gresh, “Uma poderosa onda islamita composta por uma aliança entre a Irmandade Muçulmana, salafistas e os emires do Golfo parece varrer o mundo árabe”.

Apesar da aliança momentânea no atual contexto do Oriente Médio (não só na Síria – o massacre das bombas anglo-americanas lançadas no Iêmen pela monarquia saudita, ignorado por um PSTU conivente, foi iniciado entre outras razões para proteger a ordem dominada pela Irmandade que foi estabelecida naquele país em 2011), a Irmandade Muçulmana e o wahabismo saudita são duas correntes concorrentes na ascensão do islamismo político  – para wahabitas e salafistas em geral, a Irmandade é muito “inovadora” (termo pejorativo, referente à introdução de inovações na ortodoxia religiosa); para a Irmandade os apoiadores da casa dos Saud apoiam um regime degenerado e vendido aos Estados Unidos, que não é suficientemente puro e traiu a comunidade (vide Palestina; essa diferença ideológica não impediu os sauditas de patrocinarem eventualmente grupos ligados à Irmandade) – ainda assim o wahabismo oferece uma opção mais cruamente reacionária e estrita do ponto de vista ideológico e religioso.

Por último foi citado o grupo Jabhat al-Nusra, notável franquia da Al Qaeda na Síria, com a ideologia própria da organização, uma forma mais radical de salafismo wahabita misturado com uma concepção própria de jhadismo (de Bin Laden e principalmente o egípcio Al Zahawiri, influenciada pela obra dos ideológos da Irmandade Muçulmana e com o componente “revolucionário ativista” distinto dos ultra-reacionários wahabitas ligados ideologicamente a Arábia Saudita – “ideologicamente” porque do ponto de vista material todos esses grupos tem vínculos com o regime saudita). Apesar da maioria dos grupos possuir estrangeiros, é um dos mais notáveis pela presença de jihadistas do exterior e militarmente um dos grupos mais sólidos e disciplinados, com 15 mil soldados. Muitos atribuem seu crescimento ao que seria sua estratégia política de aliar a “moderados” e permitir que eles assumissem a frente. Também fundaram uma das principais frentes islamistas anti governo do país, o Exército da Conquista (Jaish al-Fatah), que inclui grupos ditos moderados e, como dissemos, a Legião do Sham, controlando assim um dos maiores contingentes do conflito.

Logotipo de Jaish al-Islam.

– Segundo o autor, porém, esses grupos não são dominantes em Ghouta Oriental, e sim grupos supostamente mais “regionais” ou pelo menos de menor envergadura internacional. Não é incomum o PSTU argumentar que existem “grupos pagos por estrangeiros na revolução Síria para liquidá-la”, ao mesmo tempo que são ambíguos e defendem esses grupos na aliança anti-Assad – mas seriam esses grupos de Ghouta os “verdadeiros revolucionários”?

Lund os nomeia: “um grupo maior de salafistas conhecidos como Exército do Islã [Jaish al-Islam], os islamistas não-salafistas do Ajnad al-Sham, a facção auto-declarada do Exército Livre Sírio chamada de Failaq al-Rahman, e grupos locais com política oportunista e ideologia incerta, como o Fajr al-Umma e a coalizão conhecida como Exército da Umma”.

Logo de Ajnad al-Sham.

Lund nesse momento aparentemente quer rebaixar o caráter do Jaish al-Islam, que é ao lado do Ahrar al-Sham o principal grupo apoiado pelos sauditas e berço de um dos líderes da Frente Islâmica, aquele mesmo das declarações anti-xiitas, Zahran Alloush – um dos maiores líderes da “revolução síria”. Possui entre 17 e 25 mil soldados.

O Ajnad al-Sham (Soldados do Levante) se chama “União Islâmica Ajnad al-Sham” e já se aliaram em comandos conjuntos com o Jabhat al-Nusra, bem como com a Frente Islãmica e a Legião do Sham, além da proximidade especial com o Jaish al-Islam. Possui entre 2 mil e 3 mil soldados. Possui vínculos com o Qatar (portanto, vínculos mais fortes com o ocidente).

A Legião al-Rahman é comandada por um ex capitão do exército, também possui uma ideologia de corte islamista e foi recipiendário de ajuda americana na forma de lança mísseis anti-tanque TOW. É um grupo em decadência.

O exército da Ummah era uma coalizão de mais de 20 grupelhos próximos do banditismo que foi na prática eliminada pelo Jaish al-Islam. O aparecimento de grupos de caráter criminoso muito despolitizado foi comum no início da “revolução” e em geral eles foram suprimidos ou centralizados por fundamentaistas. O grupo identificado como Fajr al-Umma não deve ser muito diferente, mesmo que faltem informações a respeito do mesmo, a não ser sobre seu processo de conflitos e fagocitações pelo Jaish al-Islam.

– No parágrafo seguinte Lund vai descrever o caráter fundamental da liderança de Aloush e a ascensão da supremacia do Jaish al-Islam sobre os outros grupos, que foram obrigados a aderir a instituições militares e jurídicas deste grupo. Aloush conquistou um feito militar e politico para os “revolucionários” ao unificar os diversos grupos de Ghouta Oriental sob a égide de seu exército. “Apesar de ser criticado pelos seus métodos autocráticos, Aloush ascendeu a imagem como um dos poucos construtores de estado [state-builders] da insurgência”.

De fato, Aloush servia como um bom argumento contra aqueles que esperavam um “caos líbio” na Síria, ao criar uma ordem política sob seu domínio. Depois de dizer isso, Lund justifica: “Por mais de cinco anos a oposição síria falhou em oferecer qualquer alternativa viável ao governo que procura derrubar. ” Os projetos que apareceram para além de Assad, segundo ele, foi o de Rojava e do Daesh. Ele diz que estes dois projetos são eles mesmos incapazes de se espalhar por toda Síria ou mesmo de conquistar a confiança da insurgência árabe sunita (bom, eu não sei se concordo totalmente isso quando vários “rebeldes” passam para o lado do Daesh).

“Enquanto os vários grupos rebeldes criaram conselhos militares, coalizões e lideranças concorrentes no exílio, eles falharam em criar estruturas de governo de nível de base efetivas acima de divisões faccionais e que se imponham a população. Em Ghouta Oriental, em 2014-15 apareceu uma exceção a essa regra sob a direção do Exército Islâmico.”

– Em outro momento do texto o autor fala dos contatos de comandantes “rebeldes” em Ghouta Oriental com comandantes do exército sírio e um mercado de contrabando particularmente agitado. Essa economia política do contrabando erodiu a base de Aloush, que morreu em dezembro de 2015 abrindo espaço para o conflito entre as facções menores mas não tão pequenas assim, confiantes com a morte do caudilho salafista, com o dinheiro de patrocinadores externos e o controle de redes de contrabando.

– Finalizando, Lund descreve o cenário de Ghouta Oriental em 2016 como um dominado pelo confronto de facções, o avanço do Exército Árabe Sírio e a imposição de um cessar-fogo que inicia a destruição do enclave “rebelde”. O autor parece lamentar a queda da “experiência única de unidade rebelde”, a grande derrota para a insurgência e se pergunta sobre lições acerca de construção de Estado e insurgências divididas em facções.

Síria tem gravação que prova a coordenação dos militares dos EUA com o Estado Islâmico.

“O Exército Sírio interceptou uma conversa entre os americanos e o Daesh antes do ataque aéreo em Deir ez-Zor”

(5 de outubro de 2016) – Do original disponível em Syria Has Recorded Proof US Military Coordinating with ISIS Numa alegação impressionante, que levaria a implicações geopolíticas dramáticas, o presidente do Conselho do Povo da Síria disse na segunda-feira que a inteligência síria possui uma gravação de áudio da conversa entre terroristas do Estado Islâmico e os militares dos EUA tomada imediatamente antes dos ataques aéreos da coalizão liderada pelos Washington sobre as tropas do governo perto de Deir ez-Zor, em 17 de setembro, que deixou mais de 60 soldados sírios mortos.

Como relatado na semana passada, aviões de guerra da coalizão atingiram as tropas do governo sírio perto da cidade oriental de Deir ez-Zor em 17 de setembro, deixando 62 militares mortos e uma centena de feridos. O Pentágono disse inicialmente que o ataque aéreo foi um erro e que o alvo seriam militantes do Estado Islâmico. Grã-Bretanha, Austrália e Dinamarca confirmaram a participação de suas forças aéreas nos ataques mortais.

“O Exército Sírio interceptou uma conversa entre os americanos e o Daesh antes do ataque aéreo em Deir ez-Zor”, disse Hadiya Khalaf Abbas, citado pela emissora Al Mayadeen. [Traduzido para publicação em Dinâmica Global / FONTE: The Real Strategy]

Vida após a guerra: primeiros passos da Síria para a paz…

(05/01/2017) – Em ambiente da trégua em curso e antes das negociações entre o governo e a oposição da Síria em Astana (Cazaquistão), as autoridades estão elaborando um plano para atrair investimentos ao país.

Entretanto, a mídia russa divulga as possíveis principais prioridades do governo da Síria para 2017.

O ministro do Turismo da Síria Riyad Yazigi, em conversa com a Sputnik Árabe, divulgou que por via de atrair investimentos as autoridades planejam restaurar o país em geral e a cidade recentemente libertada de Aleppo em particular.

“Acreditamos ser necessário aliviar certos requisitos para atrair investimentos ao país e primeiramente a Aleppo,” contou.

O político chegou recentemente com uma delegação governamental a Aleppo, a segunda maior cidade síria, para inspecionar o estado atual da cidade.

Riyad Yazigi destacou que as autoridades sírias estão desejosas de cooperar com investidores que compreendem as particularidades de Aleppo e estão prontas a oferecer condições especiais para investimentos.

Ele notou também que os especialistas sírios estão avaliando os danos causados à parte histórica da cidade e estão elaborando um plano para sua reconstrução.

Enquanto isso, a mídia russa sugere as prioridades do governo sírio para o ano de 2017, notando que ele deverá ter em conta certas lições retiradas do longo conflito.

“Isso já não será uma luta contra certos grupos de diversa origem étnica, religiosa ou política, mas uma luta pela restauração da integridade do país”, escreveu o jornal online russo Vzglyad.

Este novo tipo de luta, segundo o artigo, precisará de uma subordinação incondicional ao governo de Damasco. Em retorno, o governo enfrentará a nova tarefa de reconstruir o Estado e restaurar os laços sociais e interétnicos dentro do país.

O jornal destacou que em 2016 Damasco saiu vitorioso e a situação geopolítica está mudando a seu favor, e nesta situação o governo sírio deve aproveitar isso. [FONTE: Sputnik News]

>> Leia também: O lado ‘escuro’ dos Capacetes Brancos: Vídeos falsos criam um escândalo na internet! 

>> Leia também: Curiosidade: Qual o significado da bandeira do Estado Islâmico?

>> Leia também: O lado ‘escuro’ dos Capacetes Brancos: Vídeos falsos criam um escândalo na internet! 

>> Leia também: Cresce de forma alarmante a censura na internet em todo o mundo! 

>> Leia também: Julian Assange: “Google não é o que parece”, eles “fazem coisas que a CIA não pode” 

>> Leia também: O lado ‘escuro’ dos Capacetes Brancos: Vídeos falsos criam um escândalo na internet! 

>> Leia também: Mídia alternativa sob ataque: Google e Facebook vão censurar sites de mídia alternativa por publicarem “notícias falsas”

>> Leia também: A maior ditadura do mundo está online: CIA cunhou a expressão “Teoria da Conspiração”, seus agentes rotineiramente criam “notícias falsas”, agora o Facebook criará uma marcação para decidir o que são “notícias falsas” e o que não são! 

>> Leia também: Coreia do Norte está pronta para lançar míssil balístico intercontinental “em qualquer momento e em qualquer lugar”

>> Leia também: Coreia do Norte está a beira de uma guerra com a Inglaterra – Uma frota de navios da Rússia foi vista navegando em direção a Inglaterra. Quem apertará primeiro o botão vermelho?

>> Leia também: 2017: Prognósticos para um futuro tenebroso!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13 e 17 em Detalhes!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial terá como base China, Índia, Rússia e Estados Unidos!

>> Leia também: Julian Assange: “Google não é o que parece”, eles “fazem coisas que a CIA não pode”

>> Leia também: Chip e 666 – Tirando o nosso foco na verdade bíblica da verdadeira Marca da Besta!

>> Leia também: A Carta Trump: “Quero devolver o poder à igreja” – Seria Donald Trump o novo Constantino?

>> Leia também: NOM: Papa Francisco diz que a Rússia é chave para a paz e pede ao Irã que trabalhe pela paz no Oriente Médio e combata o terrorismo

>> Leia também: Tsunami nacionalista populista avança no mundo todo!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13 e 17 em Detalhes!

>> Leia também: Julian Assange: “Google não é o que parece”, eles “fazem coisas que a CIA não pode”

>> Leia também: Patriarca Kirill de Moscou pede a recuperação de “valores” de Lênin e Stálin

>> Leia também: RELIGIÃO ÚNICA A TODO VAPOR: Papa Francisco vai à Sinagoga e dias depois recebe convite para visitar a maior Mesquita do Ocidente

>> Leia também: NOM: Papa Francisco diz que a Rússia é chave para a paz e pede ao Irã que trabalhe pela paz no Oriente Médio e combata o terrorismo

>> Leia também: Brexit: O Filme – A liberdade não está livre!

>> Leia também: Guerra de titãs: Globalistas vs Nacionalistas!

>> Leia também: Os 4 Cavaleiros do Apocalipse e a Cronologia do Fim!

>> Leia também: Mídia: Berlim e Paris planejam ‘Superestado europeu’ em vez da UE

>> Leia também: Nova Thatcher? Quem é Theresa May, a nova primeira-ministra do Reino Unido

>> Leia também: Nazismo e Comunismo (Direita e Esquerda), ambos manipulados pela elite capitalista

>> Leia também: Cenário Internacional: Reino Desunido = Desunião Europeia; Tese, Antítese = Síntese

>> Leia também: Carta escrita pelo ‘Papa’ da maçonaria Albert PIke em 1871 (século XIX) revela a 3ª Guerra Mundial. Chocante!

>> Leia também: Uma nova Europa? O Reino Unido ainda pode voltar atrás no Brexit? Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

>> Leia também: Apenas uma Terceira Guerra Mundial ou algo ainda maior?

>> Leia também: O colapso econômico da América e do mundo é iminente. Prepare-se!

>> Leia também: Barack Hussein Obama 3º Mandato? FEMA, Lei Marcial, Desastres…Está Tudo Preparado?

>> Leia também: O que é a tormenta solar anunciada por Obama? Um iminente ataque rival com bomba de pulso eletromagnético (EMP)? Ou intenção de não deixar o poder e decretar a Lei Marcial?

>> Leia também: 2017: Prognósticos para um futuro tenebroso!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13 e 17 em Detalhes!

>> Leia também: Julian Assange: “Google não é o que parece”, eles “fazem coisas que a CIA não pode”

>> Leia também: Chip e 666 – Tirando o nosso foco na verdade bíblica da verdadeira Marca da Besta!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial: O Jogo Illuminati

>> Leia também: Triunfo de Donald Trump em 9/11 equivale a novo 11/9 – A vitória de Trump e o episódio de Os Simpsons

>> Leia também: Misteriosa lápide com nome de Donald Trump aparece no Central Park em Nova York, EUA

>> Leia também: Misteriosa lápide com nome de Donald Trump aparece no Central Park em Nova York, EUA

>> Leia também: Os Simpsons: Mais profetas que muitos profetas! Episódios já “previram” o futuro várias vezes

>> Leia também: NOM: Papa Francisco diz que a Rússia é chave para a paz e pede ao Irã que trabalhe pela paz no Oriente Médio e combata o terrorismo

>> Leia também: ROMA PAPAL: MUITO OURO E PODER

>> Leia também: Banco do Vaticano é o principal acionista da maior indústria de armamentos do mundo, a Pietro Beretta!

>> Leia também: ECUMENISMO: A RELIGIÃO DE SATANÁS

>> Leia também: Patriarca Kirill de Moscou pede a recuperação de “valores” de Lênin e Stálin

>> Leia também: Nazismo e Comunismo (Direita e Esquerda), ambos manipulados pela elite capitalista

>> Leia também: RELIGIÃO ÚNICA A TODO VAPOR: Papa Francisco vai à Sinagoga e dias depois recebe convite para visitar a maior Mesquita do Ocidente

>> Leia também: NOM: Papa Francisco diz que a Rússia é chave para a paz e pede ao Irã que trabalhe pela paz no Oriente Médio e combata o terrorismo

>> Leia também: Barack Hussein Obama 3º Mandato? FEMA, Lei Marcial, Desastres…Está Tudo Preparado?

>> Leia também: Carta escrita pelo ‘Papa’ da maçonaria Albert PIke em 1871 (século XIX) revela a 3ª Guerra Mundial. Chocante!

>> Leia também: Por que a eleição americana entre Clinton e Trump é uma farsa?

>> Leia também: Entenda o que é a política, por que a democracia é um mito e as eleições um ritual!

>> Leia também: Ig Farben, o extermínio de milhões de pessoas e o grupo farmacêutico Bayer-Basf

>> Leia também: ‘El País’: Temer inaugura a república evangélica com católicos, protestantes e pentecostais!

>> Leia também: O último grande engano com a união do Catolicismo, Protestantismo apostatado e Espiritismo em todo o mundo!

>> Leia também: BALAÃO: A IMAGEM FIEL DA REPRESENTATIVIDADE POLÍTICA DO PROTESTANTISMO APOSTATADO EM NOSSA GERAÇÃO!

>> Leia também: Profecias de Daniel 11: Evangélicos e católicos ‘conservadores’ do Brasil estão empurrando a política para o conservadorismo da direita apostatada!

>> Leia também: Michel Temer foi empossado presidente do Brasil em reunião exclusiva com maçons evangélicos e católicos antes de dar o golpe final contra o governo de Dilma Rousseff

MAIS…

>> Leia também: Bomba! Barack Obama é desmascarado de maneira conclusiva como criação da CIA

>> Leia também: Obama não nasceu nos EUA, sua presidência é ilegal

>> Leia também: Obama revela que mantém uma estátua de um deus Hindu e Buda no bolso (VÍDEO)

>> Leia também: Barack Obama usa anel com a declaração de fé: “Não há Deus senão Alá”

>> Leia também: Barack Obama é o primeiro presidente gay dos EUA

>> Leia também: EUA: As eleições preparam a guerra!

>> Leia aqui no site tudo sobre o Estado Islâmico

>> Leia também: ESTOURO: A Farsa do Grupo Terrorista ISIS

>> Leia também: Falsos ataques terroristas (False-Flag Attack)

>> Leia também: Está provado…EUA, Israel, OTAN e Aliados criaram e financiam o ISIS

>> Leia também: Estados Unidos e aliados são os principais financiadores mundiais do terrorismo!

>> Leia também: Patriarca Kirill de Moscou pede a recuperação de “valores” de Lênin e Stálin

>> Leia também: 4 de Julho: Os Estados Unidos são independentes ou existe um poder superior que domina a Casa Branca?

>> Leia também: NOM: Papa Francisco diz que a Rússia é chave para a paz e pede ao Irã que trabalhe pela paz no Oriente Médio e combata o terrorismo

>> Leia também: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global

>> Leia também: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global – Parte 2

>> Leia também: Oculto Revelado: Reunião do Clube Bilderberg 2016!

>> Leia também: Bilderberg: Misteriosa conferência reúne elite mundial na Alemanha!

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial: O Jogo Illuminati

>> Leia também: Mídia: Berlim e Paris planejam ‘Superestado europeu’ em vez da UE

>> Leia também: Nova Thatcher? Quem é Theresa May, a nova primeira-ministra do Reino Unido

>> Leia também: Brexit: O Filme – A liberdade não está livre!

>> Leia também: Cenário Internacional: Reino Desunido = Desunião Europeia; Tese, Antítese = Síntese

>> Leia também: Uma nova Europa? O Reino Unido ainda pode voltar atrás no Brexit? Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

>> Leia também: Guerra de titãs: Globalistas vs Nacionalistas!

>> Leia também: Os 4 Cavaleiros do Apocalipse e a Cronologia do Fim!

>> Leia também: Nazismo e Comunismo (Direita e Esquerda), ambos manipulados pela elite capitalista

>> Leia também: Carta escrita pelo ‘Papa’ da maçonaria Albert PIke em 1871 (século XIX) revela a 3ª Guerra Mundial. Chocante!

RELACIONADOS:

>> Leia também: REVELAÇÃO BÍBLICA: Símbolos Proféticos – Significado Literal

Acesse: A Profecia das Nações

Acesse: O SINAL DO ANTICRISTO

Acesse: A MARCA DO ANTICRISTO

Acesse: A Verdadeira Marca da Besta

>> Leia também: Microchip, Tecnologia e 666 – Tirando o nosso foco na verdade bíblica da verdadeira Marca da Besta!

Acesse: O Anticristo vem do Islamismo?

Acesse: A Grande Batalha do Armagedom

>> Leia também: ECUMENISMO: A RELIGIÃO DE SATANÁS

>> Leia também: O QUE É A ONU? – CRIAÇÃO LUCIFERIANA!

>> Leia também: Islamismo ou Vaticano: Quem cumpre a profecia?

>> Leia também: O falso papa e o cumprimento da profecia do Terceiro Templo – A Religião Mundial

Acesse: Vi emergir do Mar uma Besta …E deu-lhe o Dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade

Acesse: A segunda Besta …e faz que a Terra e os que nela habitam adorem a primeira Besta, cuja chaga mortal fora curada

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13 e 17 em Detalhes!

>> Leia também: 4 de Julho: Os Estados Unidos são independentes ou existe um poder superior que domina a Casa Branca?

>> Leia também: Banco do Vaticano é o principal acionista da maior indústria de armamentos do mundo, a Pietro Beretta!

>> Leia também: Uma farsa muito grande está sendo montada: A Chegada! Estão nos preparando definitivamente para um contato alienígena?

>> Leia também: Antes, durante e depois da Reforma Protestante: pessoas fiéis ao Senhor Jesus Cristo que afirmaram com todas as letras que Roma Papal é o sistema do Anticristo!

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Mundo
Por que os países árabes ricos como Arábia Saudita não recebem os refugiados muçulmanos?

Milhares de refugiados sírios tentam entrar em países europeus, fugindo da guerra civil que já dura mais de cinco anos....

Fechar