Entenda a COP 21: O Império ecológico e o totalitarismo planetário

Entenda a COP 21 em Paris, França 2015 e as disputas em jogo

Uma breve história das COP

O Império ecológico e o totalitarismo planetário

Sobre o livro de Pascal Bernardin, L’Empire écologique

 por Charles Lagrave

Lectures Françaises, mars 1999.

Tradução de Olavo de Carvalho

(“O império ecológico ou a subversão da ecologia pelo mundialismo”, Éditions Notre-Dame des Grâces, 1998).

agenda 21

Na sua obra anterior, Machiavel pédagogue, o autor, apoiado em enorme massa de documentos oficiais, trazia-nos a prova de que um gigantesco empreendimento de lavagem cerebral vem se realizando no ensino, desde várias décadas, por meio das técnicas mais elaboradas de persuasão psicológica oculta. Do mesmo modo, no presente livro, ele estabelece, graças a uma documentação igualmente inatacável, que idêntico empreendimento de subversão das mentalidades está em ação sob a máscara da ecologia e que a convergência entre comunismo e capitalismo, que parece ter aproveitado somente a este último, é na verdade uma manobra cuidadosamente preparada para assegurar a perenidade da revolução, impondo ao mundo inteiro uma concepção totalitária do homem e da natureza. Esta revolução ideológica total desembocará por fim numa “espiritualidade global”, isto é, numa nova civilização e numa nova religião que estarão a serviço de um socialismo absoluto e universal: o governo mundial.

A subversão pedagógica tem por objetivo “modificar os valores, as atitudes e os comportamentos, proceder a uma revolução psicológica, ética e cultural. Para chegar a isso, utilizam-se técnicas de manipulação psicológica e sociológica. Este processo, manifestamente revolucionário e totalitário, não encontra nenhuma resistência entre as elites, quer sejam de direita ou de esquerda. Concebido e conduzido por instituições internacionais, ele concerne ao conjunto do planeta, e muito raros são os países poupados. Ele inscreve-se no projeto mundialista de tomada do poder em escala global pelas organizações internacionais. Nesta perspectiva, os diversos governos nacionais não serão, ou já não são, senão simples executantes encarregados de aplicar as diretrizes que tenham sido determinadas em escalão mundial e de adaptá-las às condições locais, que, por outro lado, eles se esforçam para uniformizar (2).

A difusão dessas técnicas de manipulação psicológica e sociológica no sistema educativo mundial não pode ser um fenômeno espontâneo, mas, ao contrário, é um trabalho “cuidadosamente planejado e rigorosamente executado” graças aos métodos desenvolvidos pelos soviéticos. “É certo que antes da perestroika os comunistas tinham criado as estruturas nacionais e internacionais que permitissem à revolução prosseguir por meios menos visíveis do que aqueles usados na sua fase bolchevique. Outra questão maior então surge imediatamente: pode essa estratégia ter sido aplicada em outros domínios? Ou ainda: que é, verdadeiramente, a perestroika? Um desmoronamento real do sistema comunista, sob a pressão de suas ‘contradições internas’, ou uma incrível virada estratégica elaborada cuidadosamente durante muitas décadas e executada magistralmente?(3)” A esta questão crucial, Bernardin responde, apoiado em textos irrefutáveis, eles mesmos “corroborados pelos acontecimentos sobrevindos após a queda do muro de Berlim, […] que a perestroika foi um processo revolucionário de inspiração leninista e gramscista. Seu objetivo principal é portanto a tomada do poder em escala planetária. Nesta perspectiva, a convergência entre capitalismo e socialismo, que se realiza diante dos nossos olhos, não é senão uma etapa que deve conduzir à instauração de um governo mundial (4).

De fato, o verdadeiro pai da perestroika é o teórico comunista italiano Antonio Gramsci (1891-1937), o qual havia compreendido que a revolução bolchevique, querendo modificar em primeiro lugar as condições da vida econômica, era demasiado violenta para obter a aprovação de um consenso generalizado, e preconizava, em conseqüência, efetuar primeiro uma revolução ideológica, isto é, mudar antes de tudo as maneiras habituais de pensar. “Gramsci propõe realizar primeiro a instauração de uma nova civilização. Os meios que ele propõe parecem fracos, mas na verdade são muito poderosos. A revolução ideológica deve ser veiculada pelos intelectuais e por uma ditadura pedagógica. Deve ser feita em nome de imperativos éticos e respeitar a dignidade e os direitos do homem (isto é, utilizar métodos não-aversivos). […] A revolução ecológica formará a ossatura das revoluções — ideológica, religiosa, ética e cultural — veiculadas pela ditadura pedagógica. As ideias de Gramsci são portanto indispensáveis para toda compreensão do mundialismo e da perestroika (5).

.

O totalitarismo planetário

Após ter feito explodir sucessivamente tudo o que era cristão, primeiro a Igreja no século XVI, depois as monarquias católicas a partir de 1789, depois os impérios cristãos em 1918 e por fim as sociedades cristãs. a Revolução universal prepara-se para reunificar o mundo em torno de um novo paganismo que, como os paganismos antigos, constituirá uma camuflagem da religião do demônio (6). Os povos se rejubilarão de ter atingido a idade de ouro da humanidade enfim unificada, ao passo que terão de fato caído sob o poder daquele que é “mentiroso e homicida desde o princípio”.

A revolução ecológica em curso efetua a síntese entre o liberalismo, o comunismo e o ‘humanismo’ maçônico que se arraiga nos mistérios antigos e no culto da natureza. Ela permite lançar um olhar novo sob os dois fenômenos políticos maiores deste fim de século: a desaparição do comunismo e a emergência da Nova Ordem Mundial. Ela define-se como a convergência das forças revolucionárias anticristãs, que sobem ao assalto do último baluarte legado pela cristandade: a concepção inconsciente de Deus, do homem e do mundo que define o nosso quadro intelectual. Mais ainda que a revolução copernicana, essa mudança de paradigma (7) teria consequências infinitas. A antropologia cristã contrarrestava as tendências totalitárias de todo Estado, as quais, por definição, a perspectiva holística (8) enaltece. O totalitarismo será então declinado em todas as suas dimensões: primeiro a dimensão religiosa, depois as dimensões políticas e sociais. A destruição da antropologia cristã acrescentará ainda um obstáculo maior à busca da verdadeira fé: a perspectiva cristã se tornará estranha às gerações futuras. A destruição do comunismo e a aparição da Nova Ordem Mundial marcam portanto a emergência de um totalitarismo planetário inédito que muito deverá, no entanto, às concepções pagãs. É um episódio maior da guerra de religião que o paganismo move contra o cristianismo desde sua aparição” (9).

Esse totalitarismo planetário está programado para se estabelecer em nome do bem-estar da humanidade, sem provocar reação séria, pois quem desejaria lutar contra o bem? Ouçamos Gorbachov: “É minha convicção que a raça humana entrou num estágio em que todos somos dependentes uns dos outros. Nenhum país, nenhuma nação deveria ser considerada isoladamente das outras, ainda menos oposta às outras. Eis o que o nosso vocabulário comunista denominainternacionalismo, e isto significa nosso voto de promover os valores humanos universais” (10). Ora, como observa mui justamente Bernardin, “o interesse da humanidade substitui a ditadura do proletariado, mas o indivíduo continua sempre esmagado ou negado (11).

.

 A síntese dialética

Solve et coagula, dizem os iniciados para resumir sua estratégia: eles começam por destruir tudo o que lhes constitui obstáculo, em seguida passam a uma fase construtiva, não para restaurar o que abateram (mesmo se as aparências levam a crer nisso), mas para construir algo de radicalmente diferente. É esse movimento que Hegel sistematizou sob o nome de dialética: a tese é o que os iniciados querem destruir, a antítese são os meios utilizados para esse fim e a síntese é a nova construção estabelecida sobre as ruínas da antiga — construção que aliás é sempre provisória, pois o movimento da dialética não pode parar jamais. Com efeito, a Revolução é incapaz de atingir um estado de equilíbrio durável, de tanto que viola a natureza humana: seu triunfo quase absoluto, que chegará no fim dos tempos, será muito breve.

Bernardin dá-nos uma boa análise da atual síntese dialética destinada a alcançar uma falsa paz universal que não será senão uma ditadura assustadora: “A sociedade ainda cristã, tal como existia antes dos movimentos revolucionários, se organizava em torno de um princípio transcendente que lhe dava sua unidade tanto ‘nacional’ quanto ‘internacional’, se remontarmos à época em que toda a cristandade reconhecia a autoridade suprema do papa. A luta das classes, aí, não era senão, no máximo, um elemento secundário. Vieram em seguida os movimentos revolucionários, culminando com o comunismo que exacerbou o antagonismo de classes no interior das nações e dividiu o mundo em dois blocos inimigos. Ele forneceu a antítese, uma sociedade ateia e fragmentada na qual, em vez de procurar melhorar verdadeiramente a condição operária, se eliminou a burguesia ou pelo menos se alimentou o ódio em relação a ela. A síntese desses dois momentos é a perestroika (e o mundialismo) que, renunciando a à luta de classes para tender na direção de um ‘Estado de todo o povo’, quer recriar uma sociedade unificada, interiormente e exteriormente, tanto no nível nacional quanto na escala internacional. Mas, a meio caminho, no curso desse processo dialético, perderam-se a cristandade e Deus… Temos aqui um exemplo típico daquilo que se deve chamar, malgrado todos os legítimos argumentos teológicos opostos, a dialética do bem e do mal. Uma situação má, no caso a divisão das sociedades e do planeta, é provocada pelos revolucionários (antítese). As tensões nacionais e internacionais que ela engendra clamam por um retorno ao bem, à unidade social e ao apaziguamento dos conflitos internacionais. Mas a síntese proposta sob o disfarce de retorno à normalidade, e que busca efetivamente voltar à unidade social, não é de maneira alguma semelhante à situação inicial: o mundialismo e o ‘Estado de todo o povo’ não são senão a forma mais completa e acabada do totalitarismo integral. Trocou-se a unidade social pelo totalitarismo, a unidade pela totalidade (12).

Esse totalitarismo tem por objetivo despojar o homem de sua dignidade de criatura de Deus e torná-lo pura e simplesmente um animal:

Desembaraçadas dos últimos resíduos de cristianismo as mentalidades, será então possível voltar ao culto da Terra — sob uma forma modernizada, naturalmente. A ecologia se tornará o princípio organizador da futura civilização, sobre o qual se edificará a espiritualidade global, pura negação da graça e do sobrenatural cristão, retorno ao eterno naturalismo, ao paganismo. Pois, uma vez efetuada essa mudança de paradigma, uma vez decaído o homem de sua dignidade de ente criado e desejado pelo próprio Deus, o indivíduo necessariamente desaparece por trás da coletividade, cujo assentamento ecológico é o que mais importa conservar: a Terra, então elevada ao nível de Deusa-mãe. As consequências desse rebaixamento então se desdobram, inelutáveis: totalitarismo, eutanásia, eugenismo, aborto, etc. A oposição dos ecologistas não poderá impedir que o homem, rebaixado ao nível dos animais, sofra também ele manipulações genéticas e clonagem” (13).

Dada a importância da obra, voltaremos a falar de L’Empire écologique, mas desde já podemos dizer aos leitores que, se tiverem de comprar não mais de um livro em 1999, será preciso absolutamente que seja esse. A obra de Bernardin, pela sua amplitude, ultrapassa em medida bem vasta os assuntos que citamos; seu conjunto constitui uma admirável demonstração, magistralmente sustentada, do objetivo que o autor se propôs: “descrever a etapa atual da Revolução, que deve desembocar na edificação do Império ecológico, da Cidade terrestre; e mostrar como esta, querendo se elevar até o céu, busca realizar neste mundo a Cidade celeste (14). Nós, cristãos, bem sabemos que é impossível restabelecer o paraíso terrestre, mas que, em contrapartida, o inferno terrestre é sempre, e a qualquer momento, perfeitamente realizável. Que Deus, em Sua misericórdia, se digne de nos poupar essa provação, ou pelo menos de encurtá-la o mais possível! 

.

Em dezembro, em Paris, os 196 integrantes da ONU vão tentar chegar a um consenso sobre como lidar com as mudanças climáticas

COP 15

Cenas da COP 15, em Copenhague, na Dinamarca: as negociações em Paris serão decisivas.

A falta de vontade política dos países membros da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), em especial os países desenvolvidos, para enfrentar seriamente os problemas provocadores e provenientes da crise climática, fez com que depois de mais de duas décadas de negociações pouco tenha sido feito. Em dezembro deste ano, nos arredores de Paris, os 196 países membros irão se reunir na busca por um consenso sobre qual será o rumo que a Convenção de clima irá tomar e buscarão assinar um novo acordo global, que possa substituir o esvaziado e combalido Protocolo de Kyoto, único instrumento legal da Convenção.

Para entender a próxima Conferência das Partes (COP), elenquei 21 temas principais sobre o que está em jogo nas negociações oficiais e na preparação das mobilizações da sociedade civil.

1 – Multilateralismo: A reafirmação do multilateralismo ou não como espaço coletivo de tomada de decisões sobre um tema que atravessa fronteiras físicas e atmosféricas é o pano de fundo das negociações. Para alguns países como o Brasil, se a conferência resultar em um acordo global mesmo que fraco, significa salvar o espaço multilateral expresso pela UNFCCC.

2 – Plataforma de Durban (ADP): É o trilho de negociação estabelecido em 2011 durante a COP 17, realizada em Durban. Seu mandato é elaborar os elementos para a criação de um novo instrumento jurídico vinculante, que poderá ser um novo protocolo ou não, que sob a Convenção será aplicável a todas as partes. O mandato da ADP se completa na COP 21.

3 – Workstreams 1 e 2: O primeiro diz respeito ao conteúdo do novo acordo de clima, que entraria em vigor a partir de 2020; e o segundo é relativo a ambição que o país membro tem para implementar ações no período de 2015-2020, denominado pré-2020.

4 – Chamada de Lima para Ação Climática: Documento final da COP 20 pouco ambicioso e vago, determina que as partes devem descrever de forma clara suas INDCs, ver abaixo. Destaque para a reafirmação do princípio das responsabilidades comuns porém diferenciadas, e de que os países desenvolvidos devem ter obrigações em financiamento, capacitação e transferência de tecnologias para os países em desenvolvimento.

5 – INDCs: São Contribuições Intencionais Nacionalmente Determinadas (sigla em inglês), que definem quanto, como e quando os países irão reduzir suas emissões. Muitos países estão realizando processos de consultas nacionais sobre o tema, como foi o caso do Brasil cujo resultado ainda não foi disponibilizado. É o esqueleto do novo acordo.

6 – Rascunho Zero: Texto base de negociação para o que será acordado em Paris, cuja última versão datada de fevereiro, contém 109 páginas e 221 artigos que incorporam as diversas opções sobre a mesa. O texto inclui os temas mitigação, adaptação, financiamento, transferência de tecnologia, capacitação e transparência para ações e para o apoio.

7 – Princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas e suas respectivas capacidades: Consta no preâmbulo da Convenção Quadro e foi materializado pela divisão de compromissos entre as partes do Protocolo de Kyoto, mas vem sendo ameaçado. Estabelece que todos os países devem dividir entre si os custos das ações de redução de emissões, cabendo aos países desenvolvidos assumirem as primeiras medidas, uma vez que historicamente contribuíram mais para as emissões e apresentam maior capacidade econômica para suportar tais custos e provir recursos financeiros para o enfrentamento do problema pelos países em desenvolvimento.

8 – Diferenciação concêntrica: proposta brasileira feita na COP 20 e que ganha espaço nas negociações, “na qual os países se distribuiriam em bandas de compromisso, com possibilidade de transição de uma zona para a outra dependendo do contexto e das capacidades correntes de cada país”. Tende a atender tanto o princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, quanto à demanda dos países desenvolvidos para que os países emergentes também assumam compromissos.

9 – Mitigação e adaptação: muitos países defendem que o acordo deve ter equilíbrio entre os dois temas e não focar só na redução das emissões (mitigação), como vem acontecendo no histórico de decisões das COPs.

10 – Sem perdas líquidas (No net loss): Tema preocupante que implica a compensação das emissões (offseting), significando que o mundo possa continuar emitindo gases de efeito estufa (GEE) desde que exista uma forma de os “compensar”. Assim, ao invés de tomar medidas concretas de redução das emissões, poderão continuar emitindo enormes quantidades de CO2 e, ao mesmo tempo, alegar que estão combatendo as mudanças climáticas por meio do “apoio” ao desenvolvimento da tecnologia CCS (captura e estoque de carbono)

11 – Novos mecanismos de mercado: Outro tema de grande preocupação, em especial, motivada pelas críticas em relação a falta de efetividade destes tipos de mecanismos no enfrentamento da crise climática, como o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). Estas críticas também são relativas aos impactos que estes projetos geram nos territórios, cuja inviabilização é latente por não serem consideradas na avaliação da efetividade dos mesmos, que se concentram apenas no item redução de GEE.

12 – Fundo Verde do Clima e financiamento: Apesar de ter sido aprovado em 2010, na COP 16, em Cancun, e estabelecer dois mecanismos de financiamento: um de curto prazo chamado fast start (2011-2013) que nunca saiu do papel; e outro que tinha o objetivo de atingir US$ 100 bilhões anuais de 2013 a 2020; o Fundo começou a receber recursos somente no ano passado, quando arrecadou pouco mais de US$ 10 bilhões provenientes de 29 países, entre desenvolvidos e em desenvolvimento.

13 – REDD+: A discussão principal é se entra ou não mecanismos de mercado para o financiamento da Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD+). O Brasil vem sendo categórico em suas afirmações contrárias ao mercado em REDD+, tendo apoio de organizações e movimentos sociais como os reunidos no Grupo Carta de Belém, que vem rebatendo a abordagem REDD+ por entender, entre outras críticas, que incluir mercado de carbono no financiamento dos projetos é incluir a compensação de emissões.

14 – Bioenergia e CCS: é o garoto-propaganda da nova abordagem de no net loss. Denominado BECCS nas negociações, envolve o plantio de uma enorme quantidade de grama e monocultivo de árvores para queima de biomassa com fins de geração de eletricidade, capturando o CO2 emitido e bombeando para reservatórios geológicos subterrâneos.

15 – Uso da terra: tema forte na negociação na qual vem se fortalecendo a abordagem em ‘escala de paisagem’ (landscape approach), que seria a integração entre florestas e produção agropecuária. O uso da terra entra intensamente na agenda de mitigação, mas também em adaptação. Ainda sobre este tema, existem os chamados co-benefícios, que estão relacionados a questões sociais e também a proteção da biodiversidade.

16 – Agricultura climaticamente inteligente (CSA): agricultura que aumenta a produtividade com resiliência (adaptação), ao mesmo tempo em que sequestra gases de GEE sem efetivamente reduzi-los, já que os créditos de redução seriam vendidos para outros locais poderem continuar emitindo. As formas de financiamento seriam por meio damedição e mercantilização do carbono do solo. Existe pressão para que a CSA entre no novo acordo, especialmente por parte da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e do Banco Mundial.

17 – Mecanismo de perdas e danos: Criado na COP19, busca o enfrentamento dos eventos extremos e é visto com bons olhos pela sociedade civil e pelos países em desenvolvimento por tratar com mais importância um tema fundamental para adaptação. No entanto, não discute ainda o tema financiamento, nem se incorpora diretamente ao tema adaptação no rascunho proposto. Além disso, há preocupação que as agências de avaliação de risco, que na verdade são grandes seguradoras, possam transformar o mecanismo em mais uma falsa solução ao enfrentamento da crise climática, trazendo mais dificuldades para que os países afetados possam acessar os possíveis recursos.

18 – Cúpulas dos Povos: Como espaço autônomo das organizações e movimentos sociais, ocupa um papel importante na construção de processos e na busca de sínteses, ainda que estas últimas possam ser melhor aproveitadas. A Cúpula de Lima foi importante para a América Latina, no sentido de reaproximar em sua preparação grandes forças sociais da região, ao formalizar um Grupo de Enlace regional, que pretende continuar trabalhando junto rumo a Paris e além.

19 – Mobilizações da sociedade civil global para a COP 21: organizações sociais reunidas na Coalizão Francesa começaram desde o ano passado a se mobilizar para organizar atividades durante o período da COP 21. Na semana passada, foi realizada reunião internacional de preparação, na Tunísia, onde organizações de fora da Europa puderam participar e entender melhor o processo. O grande desafio é construir um caminho que possa ter cara própria e posicionamentos firmes, ao mesmo tempo em que envolva uma gama diversa de organizações sociais que têm posições políticas bastante distintas em relação às grandes questões ligadas às mudanças climáticas, entre elas, o debate sobre soluções de mercado e se querem ou não um novo acordo global sobre clima.

20 – Calendário internacional rumo a Paris: 30 e 31 de Maio e 26 e 27 de setembro, mobilizações em toda Europa; 28 e 29 de novembro, mobilizações de massa incluindo marchas e flash mobs; de 06 a 11 de dezembro, espaço de debates da sociedade civil e mobilizações descentralizadas; 12 de dezembro, mobilização e ações diretas em Paris. Em relação ao calendário oficial das negociações, há três reuniões previstas até a COP: 1 a 11 de junho, em Bonn (Alemanha); 31 agosto a 04 de setembro, em Bonn; 19 a 23 de outubro, em Bonn.

21 – Construção de novas narrativas: Parte da sociedade civil global que se aglutina nos últimos oito anos em torno da bandeira da justiça climática está construindo novas narrativas que possam, por um lado, ampliar o escopo de atuação para além do tema mudanças climáticas, e por outro, caminhar para um processo de construção de plataformas e de movimento frente à fragmentação que a sociedade civil atravessa. Resta saber se novas formas de mobilização popular via redes sociais e atos coreografados, muitas vezes esvaziados de conteúdo político, não vão atrapalhar mais do que ajudar o processo. Há sempre risco.

Por fim, neste momento, talvez a UNFCCC e o movimento por justiça climática tenham pelo menos uma coisa em comum: a necessidade de sair da inércia. Se pelo lado oficial a COP 21 será importante para salvar ou não o multilateralismo, por correr o risco do acordo não ser nada mais que um sistema baseado em promessas longe de se comprometer com o limite dos 2ºC; por parte das organizações e movimentos sociais talvez esta seja a última COP de clima com grande mobilização nas ruas. Por isso a agenda parisiense é tão relevante, para que possa trazer ânimo e força, criando espaços de convergência e propostas concretas que deem continuidade às sínteses, ao mesmo tempo em que pavimentem caminhos futuros.

*Maureen Santos é integrante do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais/GRRI, coordenadora do Programa de Justiça Socioambiental da Fundação Heinrich Böll Brasil e professora da graduação do Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio.

497436n

Christiana Figueres, Secretária-Executiva da ONU sobre Mudanças Climáticas, escreveu um artigo para o The Guardian, cujo tema é: “O mundo está pronto para mudança”.

A maçã é uma alusão ao Éden?

Parece-me que a COP21 causará uma revolução social. É bom ficar atento.

.

El presidente ruso, Vladimir Putin dice que el calentamiento global está siendo utilizado como un arma económica contra su país.

Putin: Aquecimento global é “uma fraude”

“A mudança climática realmente existe, é cíclica, e o papel antropogênico é muito limitado”

(Daily Caller) O presidente russo Vladimir Putin crê que o aquecimento global é uma “fraude” — uma conspiração para impedir a Rússia de usar suas vastas reservas de petróleo e gás natural.

Vladimir Putin 6

Putin acredita que “não existe nenhum aquecimento global, que isso é uma fraude para impedir o desenvolvimento industrial de vários países, inclusive a Rússia,” Stanislav Belkovsky, um analista político que frequentemente critica Putin, disse ao jornal New York Times.

“É por isso que esse assunto não é popular para a maioria dos meios de comunicação de massa e a sociedade da Rússia em geral,” Belkovsky disse.

Traduzido por Julio Severo do original do WND: Putin: Global warming ‘a fraud’

Fonte: www.juliosevero.com

.

Cientista renuncia, admitindo que o aquecimento global é uma grande farsa.

Aquecimento Global: O maior escândalo científico dos Estados Unidos e do Mundo

global-warming-scientist-resigns-scam-900x350

Aquecimento global é um escândalo popular, agora partilhado pelo Papa Francisco e por tantos políticos. Só que nenhum deles é cientista e não sabe nada sobre clima. No caso do bondoso, querido e respeitado Papa, mesmo com suas melhores intenções, em sua assessoria não há meteorologistas ou cientistas do clima.

O Dr. Freeman, físico teórico dos mais respeitados do mundo, diz que Obama, presidente dos Estados Unidos, apoia o lado errado das pesquisas, dando crédito aos defensores do imaginário aquecimento e ignora conscientemente a verdade sobre o resfriamento global que está só começando. A preocupação dos governantes deveria ser com o frio intenso que atingirá a Terra, cujo auge ocorrerá, entre 2020 e 2030, pois esse, sim, é prejudicial para a humanidade, mas que, infelizmente, é o que vai acontecer. Antes fosse o aquecimento, pois causaria menos prejuízos.

Já publicamos dezenas de artigos, escritos pelos mais renomados cientistas dos mais tradicionais institutos do Mundo, versando sobre a mentira escancarada que alguns países e grandes grupos econômicos querem, a todo custo, afirmar que a Terra caminha para um aquecimento extremo, com consequências catastróficas, e que a culpa é das atividades do homem.

Cientistas, principalmente, meteorologistas e climatologistas, dispensados de suas atividades por discordarem dessas hipóteses do aquecimento, falam e provam como são manipulados os dados para que se obtenha o resultado desejado. Citam famosos institutos dos Estados Unidos e da Europa que alteraram os dados meteorológicos tão somente para satisfazerem os governos e as empresas interessadas em propagar essa mentira científica. Outra mentira é afirmar que a maioria defende o aquecimento global provocado pelo homem. Muito pelo contrário, a maioria dos meteorologistas e climatologistas sabe e prova que o clima da Terra não é alterado pelas atividades humanas e que o mundo caminha para um resfriamento acentuado.

Felizmente, as máscaras desses cientistas do aquecimento, que não provam nada, estão caindo mais rápido do que imaginávamos.

Todos lembram das notícias diárias do frio rigoroso, inclusive, fora de época, que causou tantos prejuízos na Europa, na Ásia e na América do Norte, nos anos de 2013, 2014 e início de 2015, com neves históricas.

Mas não para por aí. Em pleno mês de outubro deste ano de 2015, bem antes do início do inverno, que só começa no dia 21 de dezembro no hemisfério norte, tem caído neve histórica e o frio está bem abaixo da média climatológica na Europa e nos Estados Unidos, dando só uma amostra do que vem por aí.

Segundo o meteorologista Brian Waish, desde 1874, é a segunda vez que nevou em San Giovanni, em pleno mês de setembro. Neves e frios históricos estão ocorrendo em todas os continentes, bem antes do inverno boreal de 2015 para 2016.

Todos lembram, quando as temperaturas, nos dias 23 e 24 de julho de 2013, chegaram a 8ºC, em Rio Branco, capital do Acre. Nesse mesmo ano, o Brasil enfrentou neve, durante 15 dias não consecutivos, em vários estados.

A onda de calor que assola o Brasil, nestes dias de outubro de 2015, são devido a um bloqueio atmosférico sobre o centro da América do Sul, que impede a penetração de massas de ar frio, de origem polar. O motivo é o fenômeno do aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico oriental, causado pela ausências de ventos fortes que empurram para oeste as águas mais quentes e, assim, interferem na circulação dos ventos sobre o Brasil. Esse calor atípico é passageira e não representa um aquecimento global, como querem propagar.

Mesmo assim, em Cuiabá e em Rio Branco, nesse mês de outubro, foram registradas temperaturas, entre 15 e 17ºC, incomuns para a época, devido à incursão de uma pequena parcela de ar frio que conseguiu transpor a barreira do ar quente e seco.

No entanto, o sul da Argentina e do Chile e toda a Antártica estão registrando temperaturas extremamente baixas, com intensa queda de neve, neste inverno.

Daqui há alguns anos, onde estarão os que defendem, com unhas e dentes, o aquecimento global? Certamente, muitos irão dizer: “O mundo está esfriando porque conseguimos deter a ação do homem!” Com certeza, eles darão um jeito de se justificarem, com já começaram a fazê-lo, pois sabem que não passa de uma mentira e que, logo, serão responsabilizados pelo crime de enganar e disseminar o medo na população.

Assim, não é a atual onda de calor no Brasil que vai esfriar a teoria do resfriamento global, cujas provas são evidentes e que continuaremos a apresentar.

Se você quer saber mais sobre esse assunto e tirar suas próprias conclusões, há um vasto material escrito por especialistas do Brasil e do mundo inteiro e publicado por revistas e jornais conceituados. Basta fazer a pesquisa na internet por “resfriamento global”, “o clima está esfriando” ou outros semelhantes. Se você entende a língua inglesa faça, também, pesquisas desses temas nesse idioma.

Poderá, ainda, assistir inúmeras palestras e debates sobre o assunto, encomendadas por universidades, colégios, instituições e empresas interessadas em saber a verdade sobre o clima.

FONTES: http://yournewswire.com/top-scientist-resigns-admitting-global-warming-is-a-big-scam/

http://my.telegraph.co.uk/reasonmclucus/reasonmclucus/15835660/professor-emiritus-hal-lewis-resigns-from-american-physical-society/

https://sandcarioca.wordpress.com/2015/10/12/top-cientista-renuncia-admitindo-que-o-aquecimento-global-e-uma-grande-farsa/

http://my.telegraph.co.uk/reasonmclucus/reasonmclucus/15835660/professor-emiritus-hal-lewis-resigns-from-american-physical-society/

 

Comentário: Após ter feito explodir sucessivamente tudo o que era cristão, primeiro a Igreja no século XVI, depois as monarquias católicas a partir de 1789, depois os impérios cristãos em 1918 e por fim as sociedades cristãs. a Revolução universal prepara-se para reunificar o mundo em torno de um novo paganismo que, como os paganismos antigos, constituirá uma camuflagem da religião do demônio. Os povos se rejubilarão de ter atingido a idade de ouro da humanidade enfim unificada, ao passo que terão de fato caído sob o poder daquele que é “mentiroso e homicida desde o princípio”.

Esse totalitarismo planetário está programado para se estabelecer em nome do bem-estar da humanidade, sem provocar reação séria, pois quem desejaria lutar contra o bem? Ouçamos Gorbachov: “É minha convicção que a raça humana entrou num estágio em que todos somos dependentes uns dos outros. Nenhum país, nenhuma nação deveria ser considerada isoladamente das outras, ainda menos oposta às outras. Eis o que o nosso vocabulário comunista denomina internacionalismo, e isto significa nosso voto de promover os valores humanos universais”. Ora, como observa mui justamente Bernardin, “o interesse da humanidade substitui a ditadura do proletariado, mas o indivíduo continua sempre esmagado ou negado”
______
Em toda reunião mundial referente ao Ambientalismo (na COP 21 em Paris, França 2015 não será diferente) a Encíclica do papa Francisco ‘Laudato Si’ (Louvado sejas Satanás) é o carro-chefe do Ambientalismo Global e nela está contida que o ser humano precisa de um “dia da família”, um dia de descanso oficial global, ou seja, o domingo. (o domingo como proposta para amenizar o aquecimento global).

Francisco tem pressa…
Dias antes de sua ida aos Estados Unidos em Setembro de 2015, o papa Francisco havia dito que “a mudança climática é real e perigosa. É necessário um novo sistema de governo global para lidar com essa ameaça sem precedentes. Essa nova autoridade política seria responsável pela redução da poluição e o desenvolvimento dos países e regiões pobres”.

Antes da fala do papa, o presidente Barack Obama chegou a compará-lo a Jesus Cristo: “Creio que a emoção que sua visita gera é não apenas por seu papel como papa, mas por suas qualidades únicas como pessoa. Em sua humildade, sua aceitação da humildade, na amabilidade de suas palavras e na generosidade de seu espírito vemos um exemplo vivo dos ensinamentos de Jesus, um líder cuja autoridade moral não apenas chega por meio de suas palavras, mas também por meio de seus atos.”

Obviamente que é louvável a iniciativa de um líder religioso como o papa de encabeçar um movimento ecológico com o objetivo de proteger a Terra da degradação que ela vem sofrendo ao longo dos anos. É evidente que os religiosos podem e devem dar sua parcela de contribuição para criar uma mentalidade de cuidado com a criação de Deus. O problema são as motivações, os argumentos, os objetivos e os erros por trás de todo esse discurso ecológico.

Quero me deter num erro típico do romanismo, presente na encíclica Laudato Si: o erro deliberadamente de conduzir o mundo a observar o domingo como o dia da família e descanso bíblico.

No capítulo II, seção 71 (a encíclica está disponível aqui: (http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html), referindo-se à destruição do mundo por um dilúvio no tempo de Noé e sua posterior restauração, Francisco escreveu: “A tradição bíblica estabelece claramente que esta reabilitação implica a redescoberta e o respeito dos ritmos inscritos na natureza pela mão do Criador. Isto está patente, por exemplo, na lei do Shabbath. No sétimo dia, Deus descansou de todas as suas obras. Deus ordenou a Israel que cada sétimo dia devia ser celebrado como um dia de descanso, um Shabbath (cf. Gn 2, 2-3; Ex 16, 23; 20, 10).”

É bom deixar claro logo de início que, ao contrário do que afirma o papa, o sábado não foi dado a Israel apenas. Na verdade, o sábado foi dado à humanidade, no Éden, quando havia apenas um casal sobre a Terra (Gn 2:2, 3), e Jesus confirma isso ao dizer que o “sábado foi feito por causa do homem” (Mc 2:27), não do judeu ou de qualquer outro povo.

Embora cite o mandamento do sábado conforme está na Bíblia, no capítulo VI, seção 237 da encíclica, Francisco se permite reinterpretar o mandamento:

“A participação na Eucaristia é especialmente importante ao domingo. Este dia, à semelhança do sábado judaico, é-nos oferecido como dia de cura das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo, com os outros e com o mundo. O domingo é o dia da Ressurreição, o ‘primeiro dia’ da nova criação, que tem as suas primícias na humanidade ressuscitada do Senhor, garantia da transfiguração final de toda a realidade criada. Além disso, este dia anuncia ‘o descanso eterno do homem, em Deus’. Assim, a espiritualidade cristã integra o valor do repouso e da festa. […] A lei do repouso semanal impunha abster-se do trabalho no sétimo dia, ‘para que descansem o teu boi e o teu jumento e tomem fôlego o filho da tua serva e o estrangeiro residente’ (Ex 23, 12). O repouso é uma ampliação do olhar, que permite voltar a reconhecer os direitos dos outros. Assim o dia de descanso, cujo centro é a Eucaristia, difunde a sua luz sobre a semana inteira e encoraja-nos a assumir o cuidado da natureza e dos pobres.”

Curiosa e e contraditoriamente, na secção 68 do capítulo II, Francisco escreve, citando os Salmos:

“‘Ele [ndr: Deus] deu uma ordem e tudo foi criado; Ele fixou tudo pelos séculos sem fim e estabeleceu leis a que não se pode fugir!’ (Sl 148, 5b-6).” O papa está correto aqui. Não podemos fugir das leis de Deus, muito menos alterá-las. O sábado faz parte dessa lei e é tão eterno que continuará sendo observado na Nova Terra (Is 66:23). Daniel 7:25, escrito cerca de 500 anos antes de Cristo, previu que no futuro haveria um poder religioso que se atreveria a mudar os tempos e a lei de Deus. A profecia, pra variar, estava corretíssima…

Estamos vivendo dias solenes. Deus nos ajude a estar firmados na verdade bíblica, cumprindo nosso papel, assim como o papa e outros religiosos e líderes mundiais estão cumprindo o deles.

Por favor, tome algum tempo para assistir aos vídeos contidos na matéria. Creio que lhe será muito esclarecedor e o situará devidamente nessa controvérsia entre o sábado e o domingo, que só tende a aumentar daqui para a frente.

Os Dez Mandamentos = Um retrato de DEUS!

A Origem da Guarda do domingo

>> Leia também: O último grande engano com a união do Catolicismo, Protestantismo apostatado e Espiritismo em todo o mundo!

MAIS…

>> Leia na íntegra toda a Encíclica Laudato Si

>> Leia aqui no site tudo sobre a Encíclica Laudato Si

>> Leia também: O QUE É A ONU? – CRIAÇÃO LUCIFERIANA!

>> Leia também: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global

>> Leia também: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global – Parte 2

>> Leia também: Países adotam na ONU a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

>> Leia aqui no site tudo sobre a farsa do Aquecimento Global

>> Leia também: Aquecimento Global: O maior escândalo científico do Mundo

>> Leia também: A Grande Farsa do Aquecimento Global e a Nova Ordem Mundial

>> Leia também: Entenda a COP 21: O Império ecológico e o totalitarismo planetário

>> Leia também: O FUTURO DO MUNDO: A TIRANIA DA NOVA ORDEM MUNDIAL

>> Leia também: TERRORISMO CLIMÁTICO: CRÍTICA CIENTÍFICA À ENCÍCLICA ‘LAUDATO SI’

>> Leia também: Aquecimento Global: O maior escândalo científico dos Estados Unidos e do Mundo

>> Leia também: A PREPARAÇÃO DA RELIGIÃO E DO ESTADO PARA O DECRETO DOMINICAL!

>> Leia aqui no site tudo sobre Geoengenharia

>> Leia também: CONHEÇA O PROJETO HAARP

>> Leia também: HAARP: O projeto militar dos EUA que pode ser uma arma geofísica

>> Leia também: O HAARP Brasileiro

>> Leia também: Geoengenharia: Rastros químicos Contrail e Chemtrail, saiba em detalhes!

>> Leia também: Flagra espetacular de avião envenenando uma cidade com chemtrails

>> Leia também: Geoengenharia e Aquecimento Global, uma ligação direta!

>> Leia também: Prova irrefutável de que todos nós estamos sendo pulverizados com veneno: 571 toneladas de chumbo ‘chemtrails’ tóxicos em céus da América a cada ano

>> Leia também: PUTIN: ANTROPOGÊNICA ALTERAÇÃO CLIMÁTICA É UMA ARMA geoestratégica

>> Leia também: CONHEÇA O CHEMTRAIL (NUVEM QUÍMICA)

>> Leia também: Putin: Aquecimento global é “uma fraude”

Leia também: “O aquecimento global é mentira”, Diz climatologista da USP

>> Leia também: Aquecimento Global: O maior escândalo científico do Mundo

>> Leia também: Edward Snowden: ”O aquecimento global é uma farsa criada pela CIA”

>> Leia também: Tudo sobre Criptomoedas

>> Leia também: PayPal passa a aceitar o Bitcoin!

>> Leia também: Entenda como é uma transação feita com a moeda virtual Bitcoin

>> Leia também: Moeda física tem data para acabar, diz diretor-geral do PayPal na AL

>> Leia também: CRIPTOMOEDAS: A HISTÓRIA DA ECONOMIA ESTÁ SENDO REESCRITA. NÃO FIQUE DE FORA DESSA E NÃO PERCA A OPORTUNIDADE DE VENCER!

RELACIONADOS:

>> Leia também: REVELAÇÃO BÍBLICA: Símbolos Proféticos – Significado Literal

Acesse: A Profecia das Nações

Acesse: O SINAL DO ANTICRISTO

Acesse: A MARCA DO ANTICRISTO

Acesse: A Verdadeira Marca da Besta

>> Leia também: Microchip, Tecnologia e 666 – Tirando o nosso foco na verdade bíblica da verdadeira Marca da Besta!

Acesse: O Anticristo vem do Islamismo?

Acesse: A Grande Batalha do Armagedom

>> Leia também: ECUMENISMO: A RELIGIÃO DE SATANÁS

>> Leia também: O QUE É A ONU? – CRIAÇÃO LUCIFERIANA!

>> Leia também: Islamismo ou Vaticano: Quem cumpre a profecia?

>> Leia também: O falso papa e o cumprimento da profecia do Terceiro Templo – A Religião Mundial

Acesse: Vi emergir do Mar uma Besta …E deu-lhe o Dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade

Acesse: A segunda Besta …e faz que a Terra e os que nela habitam adorem a primeira Besta, cuja chaga mortal fora curada

>> Leia também: A Nova Ordem Mundial de Apocalipse 13 e 17 em Detalhes!

>> Leia também: 4 de Julho: Os Estados Unidos são independentes ou existe um poder superior que domina a Casa Branca?

>> Leia também: Banco do Vaticano é o principal acionista da maior indústria de armamentos do mundo, a Pietro Beretta!

>> Leia também: Uma farsa muito grande está sendo montada: A Chegada! Estão nos preparando definitivamente para um contato alienígena?

RELACIONADOS:

Acesse: Aquecimento Global: O maior escândalo científico dos Estados Unidos e do Mundo

Acesse: Entenda a COP 21: O Império ecológico e o totalitarismo planetário

Acesse: Conferência do clima termina com ‘acordo histórico’ contra aquecimento global

Acesse: A Verdade Sobre Setembro de 2015. Países adotam na ONU a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

Acesse: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global

Acesse: Setembro de 2015 e Agenda ONU 2030 – A Escravidão Global – Parte 2

Acesse: Será que a ONU introduziu a Nova Ordem Mundial com a “Agenda 2030”?

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Ciência
Apocalipse News
Tatuagem com chip é novidade tecnológica

O Sistema de Gestão de Identidades da empresa Accenture (BIMS, na sigla original), guarda dados biométricos como impressão facial, da...

Fechar