Jogo de videogame onde Jesus se atraca com outros deuses causa muita polêmica!

Malásia censura jogo. ‘Fight of Gods’ põe em guerra deuses de diversas religiões, como o egípcio Anúbis e a deusa grega Atenas.

O vídeogame Fight of God foi censurado pelas autoridades da Malásia, acusado de ameaçar a harmonia religiosa e racial do país. O jogo, que em português poderia se chamar “Luta dos Deuses”, saiu de circulação neste sábado (09/09/2017), um dia depois de a Comissão de Comunicações e Multimídia da Malásia pedir sua retirada do comércio, segundo informou a agência de notícias do governo, Bernama.

O jogo simula um cenário onde Jesus, Buda e deuses de diversas religiões, como o egípcio Anúbis (de cabeça de cachorro), a deusa grega Atenas, o japonês Amaterasu e o nórdico Odin, lutam entre sim. O trailer do game lança a pergunta, “Quem nos guiará para a luz?”, e a resposta, é claro, será dada pelo jogo: aquele que massacrar os rivais guiará o mundo em direção à iluminação.

Jesus ‘hipster’ luta com Buda no game.

O potencial do game “Fight Gods” para criar polêmicas acabou resultando na proibição do Steam na Malásia.

O jogo, que coloca figuras centrais de diversas religiões como lutadores, irritou o governo do país asiático, que tentou contatar a Valve para que ele não fosse vendido no país.

Diante da demora da proprietária da plataforma de venda de games para PC, o governo malaio acabou proibindo o acesso ao Steam em todo o país. A decisão ocorreu por meio do departamento de comunicação e multimídia local.

A produtora do game, PQube, comentou o assunto dizendo que o game aborda religiões com um tom de humoe “como qualquer outro formato de entretenimento já fez”. Eles ressaltam que o jogo “não promove nenhuma opinião política”, nem foi feito para “ofender alguém”.

O comentário termina dizendo que “as pessoas podem escolher livremente se querem ou não jogar” e que a produtora está “decepcionada de escolha não seja dada a qualquer um e em particular que o game tenha sido removido à força das vendas na Malásia”. Eles dizem que não foram notificados do motivo disso. 

Em nota, a Comissão de Comunicações e Multimídia da Malásia destacou o risco ao equilíbrio de uma “sociedade multirracial e multirreligiosa”. “Esta ação é necessária para proteger aos usuários e prevenir futuros incidentes. A solidariedade, harmonia e cuidado da sociedade multirracial e multirreligiosa é o principal objetivo do governo”, disse no comunicado o ministro Salleh Said Keruak.

Cerca de 60% dos 29 milhões de malaios seguem o Islã, na sua maioria moderada, enquanto que o restante segue o Budismo (19%), o Cristianismo (9%), o Hinduísmo (6%), o Taoísmo (2,6%) e religiões minoritárias. [FONTEcom Agência EFE]

*Clique com o botão direito em cima do vídeo e reative o som. 

MAIS…

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Mundo
Governo Temer rejeita recomendação do Vaticano na ONU para definir “família natural” e matrimônio com “marido e esposa”

Em sabatina na entidade, Brasil tampouco aceitou recomendação da Venezuela de abolir teto para gastos sociais, imposto pelo governo Temer....

Fechar