ABORTOU TRÊS VEZES E TRABALHOU PARA O PLANNED PARENTHOOD – AGORA É ATIVISTA PRÓ-VIDA!

13220963_607917609361782_3562951427302740101_n

A espanhola Patrícia Sandoval atualmente é ativista pró-vida, e defende o não nascido contando sua própria história de erros e de perdão. Abortou em três ocasiões, trabalhou para a clínica multinacional abortista Planned Parenthood, e a síndrome pós-aborto a levou a um ciclo autodestrutivo de consumo de drogas e relações dependentes.

Segundo Patricia, no colégio informavam sobre o uso de anticoncepcionais e sexo seguro. Mas, aos 19 anos começou a sair com um rapaz 5 anos mais velho do que ela e ficou grávida. No primeiro momento decidiram que teriam o bebê, mas depois de uma conversa com uma amiga Patricia teve medo, e então decidiu abortar sem que seu noivo soubesse de nada.

Cinco meses depois do primeiro aborto, descobriu que estava grávida novamente. Desta vez, não falou com ninguém e decidiu abortar em segredo absoluto. Começou a sofrer as terríveis consequências da síndrome pós-aborto:

“Queria suicidar-me. Passei por uma profunda depressão e vergonha”, recorda.

Ficou grávida pela terceira vez. Seu companheiro ficou feliz pela notícia, mas ela o convenceu de que não teriam o filho e por isso o obrigou a acompanhá-la a praticar o aborto:

“Ele tinha muitíssimo medo. Inclusive chegou a chorar. Eu me sentia muito mal, não só pelo que estava fazendo, mas também porque meu companheiro pensava que esse era o primeiro aborto, mas na verdade era o terceiro”.

Seu namorado começou a sofrer também de síndrome pós-aborto. Patricia e ele terminaram a relação e ela começou sua vida em outra cidade. Encontrou trabalho em uma clínica da Planned Parenthood, onde lhe explicaram como devia dirigir-se às clientes:

“Não podia levar fotos de sua família, não podia me referir ao bebê como ele ou ela, pois eram apenas células. De fato, não podia dizer nem mesmo a palavra ‘bebê’”.

Entretanto, de maneira inesperada, tudo mudou. No primeiro aborto em que atuou como assistente, Patricia tinha que encontrar as partes do corpo do bebê extraído:

“Ao ver seus dedos perfeitamente formados, percebi que não eram apenas células. Então, compreendi que havia assassinado meus três filhos”.

Caiu em uma profunda depressão, decidiu não voltar mais à clínica. Entretanto, começou a ter uma relação com um homem que lhe ofereceu drogas. Quando terminou essa relação, sentiu-se totalmente sozinha e sem forças para recomeçar.

Um dia, estava chorando na rua e uma jovem aproximou-se dela e lhe recordou que Jesus ainda a amava. Levou-a para a casa de seu pai, com quem havia perdido o contato há alguns anos, e este a acolheu novamente.

Patricia começou a reconstruir sua vida. Confessou a Deus os abortos que havia cometido, mas ainda sentia que algo a impedia de permanecer tranquila. Havia curado seu corpo, mas não sua alma. Por isso, decidiu participar de um retiro de cura para mulheres que praticaram aborto, chamado “Viñedos de Raquel”, que mudou radicalmente sua vida.

“Cheguei ao retiro me sentindo uma assassina e uma pecadora malvada que abortou seus três filhos. Ao terminar o retiro, me reconheci mãe de três lindos bebês que me esperam no céu”. Em homenagem aos três filhos mortos, ela prometeu: “Como eu não dei a vocês a oportunidade de viverem, de agora em diante farei tudo o que for possível para defender a vida”.

“A todas as mulheres que abortaram, se tiverem um coração arrependido poderão encontrar a cura. Poderão ser perdoadas e perdoar-se a si mesmas. E a todas as mulheres com gravidez indesejada, quero lhes dizer que o aborto nunca é a solução”, afirma.

****
VEJA O VÍDEO:

MAIS…

>> Leia aqui no site tudo sobre aborto

>> Leia aqui no site tudo sobre Planned Parenthood

>> Leia também: Ex-feminista Sara Winter fala contra o aborto no Senado Brasileiro

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

Deixe seu comentário!
Mais em Medicina
Por 6 votos a 4, STF suspende lei que autoriza uso da ‘pílula do câncer’, a fosfoetanolamina

Quatro ministros que liberavam uso para pacientes terminais foram vencidos. Associação Médica Brasileira alegou risco à saúde e ao tratamento...

Fechar