Zika e aborto: A história está se repetindo?

01/03/2016 –

John Stonestreet

Mais de cinquenta anos atrás, médicos nos EUA e Europa Ocidental prescreviam a droga talidomida para suas pacientes para tratar, entre outros males, náusea e enjoo matinal em mulheres grávidas.

Gravidez

A droga teve resultados trágicos cujos efeitos ainda são sentidos hoje.

No final da década de 1950, começaram a aparecer registros de anormalidades em crianças cujas mães haviam usado essa droga durante a gravidez. As anormalidades mais conhecidas e dolorosas envolviam bebês que nasciam sem braços e pernas.

O que não é surpresa alguma é que em poucos anos, a droga foi removida do mercado, mas o caso trágico da talidomida não terminou aí. Como o historiador Daniel K. Williams nos diz em seu recente livro “Defenders of the Unborn” (Defensores dos Bebês em Gestação), a tragédia da talidomida abriu a porta para o aborto legalizado nos Estados Unidos.

Os apoiadores de leis de aborto liberalizado aproveitaram a tragédia para justificar a expansão da disponibilidade do aborto, que na época era em grande parte limitado aos casos em que a vida da mãe estava em perigo. Eles argumentaram que as mulheres que haviam tomado a talidomida deveriam ter o direito de abortar seus bebês em gestação, ainda que não houvesse nenhum jeito de saber se seus bebês haviam sido afetados pela droga.

O argumento deles, como documenta Williams, era que o medo de dar à luz uma criança deficiente era suficiente para justificar a expansão da disponibilidade do aborto.

A fotos trágicas de crianças sem pernas e braços, junto com alguns casos famosos, influenciaram as assembleias legislativas americanas, inclusive a Califórnia, em 1966. Em 1972, vinte estados dos EUA haviam legalizado o aborto em casos em que a vida e a saúde física da mãe não estavam sob ameaça.

Cinquenta anos mais tarde, numa parte diferente dos EUA, a história, se não está se repetindo, está pelo menos parecendo rimar, como Mark Twain poderia ter dito.

Eric Metaxas recentemente disse no programa BreakPoint sobre como a epidemia do Zika na América Latina está sendo usada por promotores do aborto como arma contra a proteção à vida dos bebês em gestação. A parte mais afiada dessa arma é o elo presumido entre o Zika e a microcefalia, “uma ‘desordem neurodesenvolvimental’ caracterizada por tamanho da cabeça consideravelmente menor.”

Digo “presumido” porque, como um recente artigo do jornal New York Times diz aos leitores, “o elo entre a microcefalia em bebês e o Zika não foi comprovado.” Tudo o que sabemos com certeza é que autoridades internacionais de saúde “suspeitam fortemente” que haja um elo.

Um exemplo dessa incerteza é a Colômbia. Embora se saiba que milhares de mulheres colombianas grávidas contraíram o Zika, não existe caso confirmado de nenhuma delas dando à luz filhos com microcefalia.

Conforme disse o vice-ministro da Saúde da Colômbia ao New York Times, “Há muita coisa que não sabemos sobre o [Zika]. O que sabemos é que há uma disparidade crescente entre o que estamos vendo na Colômbia e a experiência no Brasil”

Apesar dessa “disparidade crescente,” o New York Times e outros têm certeza de que liberalizar as leis de aborto agora é o caminho certo. Isso ignora não só fatos reais da epidemia do Zika, mas ignora também o fato mais importante de todos: a humanidade dos bebês no útero.

Como foi o caso cinquenta anos atrás, a ansiedade sobre a possibilidade de dar à luz uma criança com deficiência é considerada como razão suficiente para matar o bebê em gestação. A mensagem é clara: Qualquer coisa que seja menos que uma “criança perfeita” é descartável. Na era dos testes genéticos pré-natal, as implicações dessa mensagem são de dar calafrio.

E conforme a história mostra, não vai parar aí. O Zika, como a talidomida, é parte de uma arma cuja meta é o aborto por qualquer motivo. Cinquenta anos atrás, uma tragédia levou a uma tragédia maior cujos efeitos ainda estão nos EUA. Vamos orar para que a mesma coisa não aconteça de novo.

Talvez seja o povo da América Latina que deveria construir uma muralha em sua fronteira [para se proteger das más influências dos EUA].

Traduzido por Julio Severo do original em inglês do ChristianHeadlines: Zika and Abortion Part II: is History Repeating Itself?

FONTE: www.juliosevero.com

Leia também: O que a epidemia do Zika Vírus está encobrindo?

Leia também: Cabo Verde, na África, confirma 7164 casos de zika e nenhum caso de microcefalia
Leia também: Cabo Verde, na África, confirma 7164 casos de zika e nenhum caso de microcefalia

Leia também: Microcefalia e Zika a história não revelada

Leia também: Causa da Microcefalia não é Zika Vírus foram as vacinas em gestantes; diz estudo

Leia também: A farsa sendo revelada usando a ‎microcefalia‬ para liberar o aborto no mundo
Leia também: Zika vírus pode ser comprado pela Internet nos EUA
Leia também: Dr. Francis Boyle: O vírus Zika é guerra biológica
Leia também: ESCÂNDALO! PESQUISADORES DIZEM QUE RUBÉOLA É A CAUSADORA DE MICROCEFALIA NO BRASIL E NÃO O ZICA VÍRUS

Leia também: Os Riscos da vacinação na gravidez, analisem!

RELACIONADOS:

Acesse: Zika Vírus: O mosquito mutante do eugenista Bill Gates é declarado ameaça mundial

Acesse: Zika, dengue, chicungunha e a polêmica dos Mosquitos transgênicos

Acesse: Mosquito é animal mais mortal que existe, garante Bill Gates

_______
Siga APCNEWS no Facebook e Twitter

CURTA a PÁGINA!! COMPARTILHE!!>> https://www.facebook.com/apocalipsenewsoficial

SIGA: https://twitter.com/apcnewsoficial

SIGA: https://plus.google.com/u/0/+ApocalipseNewsOficial/posts

INSCREVA-SE: https://www.youtube.com/c/ApocalipseNewsOficial

✔️✔️ACESSE: https://www.apocalipsenews.com

#APCNEWS

Deixe seu comentário!
Mais em Medicina
PRÓPOLIS PROTEGE CONTRA DENGUE E ZIKA

Está circulando nas redes sociais a informação de que a própolis protege contra a dengue, zika, chicungunha e outras doenças...

Fechar